Com formato gracioso e sabor muito agradável, a cambuci é um ingrediente e tanto para inovar com estilo e fazer sucesso na cozinha

Pimenta é uma da exceções à regra e não arte

por Patrícia Crespo 20/05/2013 14:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Nem tudo é farinha do mesmo saco. Quem tem fama não deita na cama. Quem sai aos seus pode degenerar. Toda pimenta arde, cambuci é pimenta, logo cambuci não arde. E assim começamos confirmando a exceção da regra. Aromática sim, ardida nunca. Muito pelo contrário, a pimenta em questão é nula no quesito picância e seu sabor é muito mais suave do que qualquer pimentãozinho que anda por aí.

A pimenta cambuci pertence à família Solanaceae e ao gênero Capsicum como todas das pimentas, mas o sobrenome Baccatum faz a diferença. Com um gracioso formato de cabacinha e um gosto refrescante e adoçicado, é conhecida também como chapéu-de-bispo ou chapéu-de-frade. Dizem que tem origem em terras peruanas mas já era conhecida pelos índios tupis-guaranis, que a denominaram cambuci. A palavra na língua indígena significa jarro, ou qualquer coisa cônica que serve para depósitar líquidos.

Colhidas verdes para ter um maior tempo de vida, as cambucis pendem vigorosas e silvestres em pequenos arbustos que se concentram nas regiões Sul e Sudeste do país e podem ficar vermelhinhas quando maduras. Ainda que murchem, não perdem a doçura e podem ser utilizadas, pois a desidratação da planta concentra-lhe ainda mais o sabor.

Que as pimentas fazem um bem danado para nossa saúde já é sabido, mas é sempre bom lembrar que elas provocam a liberação de endorfinas, substâncias que causam sensações de bem-estar no organismo. O paladar agradece, pois uma pimentinha cambuci fritinha só temperada com sal e azeite vai bem a qualquer hora. Raladinha em cima de um arroz branco bem fresquinho é prazer simples e inesquecível.

Mas se o negócio for inventar moda, o ingrediente é um prato cheio de possibilidades. Experimente utilizá-la em bolinhos ou omeletes ou incrementar a parada e fazer um requintado antepasto de cambuci confitado em azeite ou numa aromática geleia para servir com torradas. Mas sem dúvida nenhuma ela é um sucesso culinário quando lhes retiram a sementes e a transformam em recipientes para os mais diversos tipos de recheios. Carnes bovinas e suínas, bacalhau desfiado, linguiças e queijos podem ser preparados para encher as cabacinhas da pimenta. Tudo lhe cai bem. Um simples ovinho de codorna cozido na cambuci pode ser a estrela da refeição.

Fácil de encontrar e com preços bem mais atrativos que qualquer pimentão, os jarrinhos verdinhos são um convite para a criatividade de qualquer cozinheiro. Para nossos leitores de hoje, faço um brinde à simplicidade. Quase sempre, em tudo que faço na cozinha, tenho sempre em mente a frase: menos é mais. Quanto menos interferências, menos ingredientes, menos tempo de preparo, mais sabor e nutrição podemos retirar dos alimentos. Então, vamos lá. Que tal uma entradinha de cambuci suflê?

Cambuci suflê


INGREDIENTES

6 unidades de pimenta cambuci lavadas; 3 ovos; 60g de queijo parmesão ralado na hora; sal e pimenta do moinho a gosto; azeite para untar

Modo de fazer

Pré aqueça o forno a 180 graus por 10 minutos. Corte as tampinhas da pimenta e com o auxílio de uma faquinha retire também todas as sementes. Lave, coloque-as de cabeça para baixo sobre papel-toalha para escorrer toda a água. Reserve. Bata os ovos inteiros, como se fosse fazer um omelete, misture o queijo e tempere com sal e pimenta a gosto. Pincele azeite numa assadeira e coloque as pimentas. Com uma colherzinha preencha totalmente as pimentas com o recheio de ovos e leve ao forno até que o recheio cresça e fique dourado.
Sirva em seguida.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA