Grão de bico é rico em nutrientes e pode ser uma boa opção tanto para substituir o feijão nosso de cada dia

Leguminosa também pode ser usada para elaborar receitas saudáveis e originais

por Patrícia Crespo 17/03/2013 09:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Euler Junior/EM/D.A Press
(foto: Euler Junior/EM/D.A Press)
A popularidade do grão-de- bico por aqui nem de longe se compara à sua enorme fama espalhada pelo mundo oriental, onde, há milhares de anos, as populações se beneficiam de seus superpoderes nutricionais. Entretanto, basta consumi-lo com mais frequência para comprovar que ele faz um bem danado à saúde, além de, é claro, dar um sabor especial às receitas.
Pesquisadores da Embrapa afirmam que entre esse reboliço todo em torno da planta se deve ao triptofano, aminoácido abundante no grão- de-bico, que é responsável pela fabricação de serotonina, substância que ativa o sistema nervoso central e causa sensação de bem-estar, satisfação e confiança. É o mesmo que comer chocolate, só que com baixas calorias.


Originário do Oriente Médio, mais especificamente da região que hoje vai da Turquia ao Iraque. Por lá, resquícios arqueológicos de mais de 7 mil anos atestam que o grão- de-bico foi um dos primeiros alimentos a ser cultivado pelo homem. Gregos, romanos e egípcios também eram adeptos ao grão na Antiguidade e desenvolveram pratos que até hoje se fazem por aí.


Os espanhóis o trouxeram para o Novo Mundo, mas foram os fenícios que o introduziram na Península Ibérica durante o domínio árabe. Chegou ao Brasil com os portugueses, que utilizam o ingrediente em vários pratos típicos, mas seu cultivo e seu consumo cresceram por conta dos imigrantes vindos da Espanha e do Oriente Médio. Tanto na Espanha quanto em Portugal, cozidos que levem o grão, como o puchero, fazem parte da culinária de raiz desses países.


Provavelmente, pouca gente conhece uma plantação de grão-de-bico e nunca comeu a planta in natura. Entretanto, o grão fresco é muito usado tanto na Índia, líder mundial na produção do ingrediente, como no Paquistão. Por lá, o arbusto ainda cresce selvagem e é bastante utilizado para compor pratos de carnes diversas. A variedade desi, de calibre bem pequeno, é a preferida dos indianos, iranianos e mexicanos, mas não chega aos mercados brasileiros. Por aqui, o tipo mais comercializado é o kabuli. Algumas plantações na região Sul do país não chegam a suprir a demanda do mercado nacional, que importa os grãos do Chile e da Argentina.


Principal ingrediente do homus e do falafel, pratos tradicionais da culinária árabe, o grão-de-bico pode substituir o feijão nosso de cada dia com o mesmo modo de preparo: temperado depois de cozido. Durante o cozimento, o acréscimo de vegetais e embutidos dá um toque especial na receita. Para engrossar o caldo, a sugestão é amassar um pouco do grão cozido, como fazemos com o feijão. Os grãos descascados e triturados também podem ser empregados para fazer sopas, cremes ou sobremesas. A farinha de grão-de-bico, conhecida como socca, é muito utilizada pelos indianos e pode ser utilizada na fabricação de pães e bolos.


Nas prateleiras nacionais, é comum encontrá-lo enlatado, cozido ou seco e embalado em saquinhos de 500 gramas. Para preparar o grão, é bom deixá-lo de molho por 12 horas e depois levá-lo para a pressão por mais 25 minutos. Quanto mais hidratado e lento o cozimento, mais ele libera amido, o que deixa o caldo mais grossinho e suculento. A escolha do grão é outro segredo. Quanto mais claros, mais novinhos e assim cozinharão mais rápido. Não há problema nenhum em comprar os mais escuros, eles apenas levarão mais tempo de molho, porque ficaram ressecados com o tempo.


Busquei na Índia nossa receita de hoje. Diferente de tudo que já vi, o sandal é um petisco delicioso para acompanhar uma cervejinha bem gelada nesses dias quentes que ainda insistem em permanecer por aqui. Bom apetite!

*Formada em jornalismo pela Puc-Minas e em gastronomia
pela Estácio de Sá

 

 

Petisco de grão de bico

Ingredientes


250g de grão-de-bico seco demolhado por 12 horas; 50ml de azeite extravirgem, 1 colher de sobremesa de mostarda em grãos, 1 colher de sobremesa de gergelim preto, 1 pimenta dedo-de-moça sem sementes bem picadadinha, 2 colheres de coco ralado sem adição de açúcar,
sal e pimenta do moinho a gosto.

Modo de fazer

Escorra o grão até deixá-lo bem seco. Não é necessário retirar a pele. Pré-aqueça o forno a 180 graus. Forre um tabuleiro com papel-manteiga e reserve. Numa frigideira, aqueça o azeite, acrescente a mostarda, o gergelim e a pimenta. Coloque o grão-de-bico e envolva-o completamente no azeite. Coloque sal e pimenta do moinho a gosto. Transfira tudo para o tabuleiro reservado e leve ao forno preaquecido por 30 minutos, mexendo os grãos de tempos em tempos. Eles ficarão dourados. Desligue o forno e acrescente o coco ralado. Sirva como petisco. Podem ser guardados em potes herméticos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA