Elvis King Pub 'customiza' comida mexicana e aposta no hambúrguer

Chef Diogo Gazzinelli abrasileirou sabores do México

por Eduardo Tristão Girão 01/02/2013 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Hugo Cordeiro/Nitro
Blue moon burger, um dos sanduíches do Elvis (foto: Hugo Cordeiro/Nitro)
Poderia ser mais uma casa que serve hambúrgueres feitos no local – o que está quase virando obrigação em BH – ou espaço que meramente reproduz o limitado receituário tex-mex das grandes redes internacionais instaladas no Brasil. Como costuma ocorrer no ramo de bares e restaurantes, a atenção aos detalhes faz a diferença. E este é o caso do Elvis King Pub, onde a cozinha prepara, além de hambúrgueres, molhos típicos (ranch, thousand island, buffalo etc) e a massa de seus nachos, tacos e quesadillas.

“Inicialmente, a ideia era abrir um pub de rock com comida mexicana. Depois, pensamos em ter comida tex-mex e hambúrgueres”, conta Shairon Lacerda, proprietário da casa recém-inaugurada e vocalista da banda Fusile. O ponto escolhido abrigava o extinto B.A.R., no Funcionários. Totalmente reformado, o imóvel ganhou extenso balcão, cadeiras, sofás vermelhos e cozinha parcialmente à vista. Há um palco para shows ocasionais.

Não por acaso, Diogo Gazzinelli, que comanda a cozinha, também é músico (toca bateria na banda Civilian). Ele fez curso de cozinheiro no Senac e morou durante seis meses nos Estados Unidos, onde desenvolveu apreço especial por hambúrgueres e pela comida tex-mex – braço da culinária norte-americana com forte influência da mexicana.

Pela primeira vez, esse jovem de 24 anos assume a cozinha. “Uma das grandes dificuldades de fazer comida mexicana em Belo Horizonte é a falta de ingredientes. A gente acaba tendo de abrasileirar”, desabafa Diogo. Sendo assim, ele se baseou em pesquisas e, claro, em testes para chegar às receitas dos molhos servidos na casa. Sua versão do thousand island leva maionese, ketchup, picles de pepino e vinagre, servida como guarnição dos anéis de cebola fritos (R$ 14). Palitos de muçarela empanados (R$ 16) são acompanhados por marinara, espécie de molho de tomate mais reduzido e condimentado. Ambos servem três pessoas.

TORTILHA

Hugo Cordeiro/Nitro
Diogo Gazzinelli abrasileirou sabores do México (foto: Hugo Cordeiro/Nitro)
Aparentemente simples de fazer (água, farinha, óleo e sal), a massa de tortilha nem sempre é produzida nas cozinhas dos restaurantes que a utilizam em tacos e quesadillas. “A que faço aqui fica totalmente diferente tanto na textura quanto na aparência. É mais rústica. Para o taco, é mais macia para não quebrar ao ser dobrada. Para a quesadilla, fica mais quebradiça, pois vai à chapa para que o recheio de queijo derreta”, justifica Diogo. Uma das opções do cardápio é a quesadilla de peito de frango recheada com molho buffalo (apimentado), alho-poró e queijos, servida com guacamole e creme azedo (R$ 22).

O cardápio será ampliado. Por enquanto, lista apenas cinco opções de hambúrguer, todas com bife bovino de 180g (mistura de chã de fora e maminha) preparado na chapa (que, em breve, será trocada por grelha) e acompanhadas por batata frita. Quem tiver apetite maior pode encarar o “double trouble” (R$ 28): pão, dois hambúrgueres, queijo prato, cheddar derretido, tiras de bacon, cebola roxa, alface americana, tomate e molho thousand island.

Para beber, há drinques criados pela Rocktails Mixology, empresa dos bartenders Filipe Brasil e Thiago Che Gazzinelli. O jailhouse margarita on the rocks (R$ 16) leva tequila, triple sec, limão, pimenta tabasco de jalapeño e suco de abacaxi. Pode-se pedir o drinque criado na hora pelos bartenders (R$ 20). Cervejas nacionais em garrafa de 600ml custam R$ 7 (cada).

Elvis King Pub
Endereço: Rua Santa Rita Durão, 309, Funcionários
Tel.: (31) 9251-5355
Aberto de terça a quinta, das 18h à 0h; sexta e sábado, das 18h à 0h30

Leia mais no Blog do Girão

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA