Fernando Júnior abre a primeira franquia do Na Mata Café em BH

Nova casa da cidade aposta no agito noturno associado à gastronomia

por Eduardo Tristão Girão 28/09/2012 08:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
André Hauck/Esp. EM/D. A Press
(foto: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
 
Juntar balada e restaurante no mesmo lugar é algo que nem sempre dá certo. Os objetivos de cada público são diferentes e as operações, idem. Por vezes, a balada acaba sufocando o restaurante e o bom trabalho de um chef corre para o ralo. Ciente disso, o jovem e experiente empresário Fernando Júnior abriu, semana passada, a primeira franquia do Na Mata Café, casa paulistana que coloca as duas propostas funcionando lado a lado. Fica em Lourdes, com aposta também em aulas de cozinha e aluguel do espaço para gourmets amadores. Leia mais sobre gastronomia no Blog do Girão
“Nunca pensei em mexer com noite, mas percebi particularidade interessante no Na Mata por causa da gastronomia. O de São Paulo existe há 13 anos, e não é aquele tipo de negócio para abrir, ganhar grana e fechar dois anos depois”, confessa Fernando, que comanda o Grupo Meet, do qual fazem parte a churrascaria Porcão, o Espaço Meet (eventos), a coneteria Koni, a lanchonete Carioca da Esquina e as duas unidades da iogurteria Yoggi e da sanduicheria Pão.com. Na nova casa, ele tem como sócios Felipe Santiago e Antônio Toledo.
Embora a disposição de ambientes da unidade belo-horizontina seja igual à paulistana, a identidade visual daqui é diferente da de lá. São 120 lugares em mesas de madeira e sem toalha nos dois salões frontais, atendendo aos fregueses que não querem agito, mas somente petiscar ou jantar. O espaço dos fundos, chamado de Na Moita, será inaugurado só dia 17 do mês que vem e abrigará cerca de 280 pessoas em noites de shows e discotecagem. A casa cobrará entrada apenas de quem for ao Na Moita - nos demais ambientes, cobra-se R$ 10 de couvert em função dos DJs.
O cardápio reproduz quase totalmente o que é servido em São Paulo, incluindo um prato da chef Helena Rizzo (Maní, SP) e outro de Rita Lobo (site e livro Panelinha), respectivamente representadas pela lula grelhada com purê de baroa, radicchio, tomate e tomilho (R$ 44,90, individual) e pelo sashimi de salmão com arroz de jasmim, molho oriental e geleia de cebola (R$ 39, individual). O responsável pela cozinha é o chef Thiago Borja (ex-Porcão), que assina um prato por lá, o entrecôte ao próprio molho com legumes na manteiga ou arroz crocante (R$ 46, individual).
Harmonizações Outros dois chefs mineiros, Carlos Pita e Júlia Martins também têm pratos no cardápio e atuam por lá, ministrando, alternadamente, aulas de gastronomia de segunda a sexta, na hora do almoço, na cozinha à beira do balcão. Os cursos têm duração de duas horas e incluem degustação de três receitas por preços que variam de R$ 150 a R$ 200 (em função do número de aulas que o freguês compra). A programação está no site da casa (www.namatabh.com.br). O espaço também pode ser alugado para eventos particulares, incluindo os serviços de auxiliar de cozinha, responsável pelas compras e pré-preparo.
Na seção de bebidas, o forte são os drinques, preparados pela bartender Camila Amaral (ex-Mambo). Entre as criações da casa, estão o mitologia (vodca de baunilha, água de coco, suco de maçã, pepino, hortelã e espuma de gengibre, R$ 20) e o Maximilian (pisco, chá verde, tangerina e noz moscada; R$ 16). Há, ainda, quatro drinques desenvolvidos para harmonizar com quatro receitas da cozinha, inclusive uma sobremesa. A cerveja mais barata custa R$ 8,90 (Heineken, long neck) e a carta de vinhos conta com 60 rótulos (a partir de R$ 70). Aos domingos, serve brunch, das 10h às 14h (R$ 37,90, por pessoa). 
 
Na Mata Café
Rua Marília de Dirceu, 56, Lourdes. (31) 3654-1733. Aberto de terça a sexta, das 18h à 0h30; sábado, das 12h à 0h30; domingo, das 10h às 18h. 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA