Chopp da Fábrica oferece petiscos para temperar as madrugadas da cidade

Apostas da casa são o Mexido e a Gamela do Ti Guto

por Eduardo Tristão Girão 18/05/2012 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press
Mexido com arroz, feijão, couve, ovo, carne desfiada, linguiça especial e torresmo (foto: Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
Ponto de encontro dos comilões da madrugada, o bar e restaurante Chopp da Fábrica chega aos 20 anos tendo à frente duas gerações da família fundadora, que equilibram a gangorra da tradição e renovação. Pratos dos tempos de José Augusto de Souza, o pai, são mantidos ao lado das receitas do filho, Bruno Delli Zotti, sem criar descompasso no cardápio. A casa, que foi inaugurada com metade do número atual de mesas e fechando mais cedo, hoje produz sua própria linguiça e estuda voltar a trabalhar com chope. Leia mais sobre gastronomia no Blog do Girão
A história começa com a inauguração pela família do Passa Hum, em imóvel vizinho. Cinco anos depois, em 1997, o Chopp da Fábrica foi aberto ao lado e com cardápio bem parecido ao da outra casa, que foi fechada cerca de um ano depois – o que justifica a comemoração de duas décadas. Na época, a primeira casa trabalhava só com cerveja de garrafa e a segunda, apenas com chope. Com a criação da Ambev, em 1999, optaram por trabalhar só com garrafa, mas sem abrir mão do nome, então em consolidação.
A ampliação do horário de funcionamento para a madrugada foi feita no mesmo ano. “Senti o mercado carente disso. Foi difícil, pois nos primeiros anos não entrava ninguém de 1h às 5h. Depois de uns quatro anos, o movimento começou a aumentar. Cheguei a panfletar em porta de boate e forró”, lembra Bruno, de 32 anos. Hoje, o panorama é bem diferente: depois da reforma de 2010, a casa passou a contar com 68 mesas, 56 funcionários (seis contratados este ano) e cozinha de 55 metros quadrados.
Envolvido na administração com o restante da família, Bruno fez curso de cozinheiro no Senac e, com isso, passou a responder mais diretamente pela cozinha. Com o pai, criou pratos curiosos no estilo fim de noite, como o parmigiana de espaguete (R$ 27,90, para duas pessoas): bife empanado coberto com espaguete à bolonhesa e muçarela. Na mesma linha, há a polenta à mineira (R$ 13,20, individual), espécie de angu à baiana com muçarela e couve fatiada.
Também chama a atenção o curioso pão de queijo frito, integrante das gamelas batizadas de: do Ti Guto (bolinho de mandioca, batata frita e contrafilé acebolado); do Ti Paulo (bolinho de feijão, batata frita e fraldinha de porco acebolada); e do Ti Pupo (bolinho de mandioca, torresmo e linguiça). Qualquer uma custa R$ 42,80 e serve, pelo menos, quatro pessoas (como petisco).
No cardápio há outros tira-gostos e pratos, todos clássicos. Para acompanhar qualquer um deles, sobre cada mesa é colocado um pequeno pote de conserva caseira de pimentas variadas curtidas com alho (sempre cobiçado pela freguesia, que cata todos os que estão à vista), azeite e cachaça. 
Solto Já o mexido (R$ 14,80, individual), receita de José Augusto (que, na verdade, aprendeu com a mãe, Wagnelina) é receita que ninguém ousa mexer. A mistura de arroz, feijão, couve, ovo, carne desfiada, torresmo e linguiça leva também um pouco de molho de carne e não fica com os ingredientes tão soltos como em outros mexidos da concorrência. Por falar em linguiça, desde 2006 ela é feita diariamente na casa segundo receita dele, com pernil.
Um açougueiro fica só por conta de prepará-la e processar todas as carnes usadas na cozinha, o que facilita padronização (antes havia um verdadeiro “rodízio” de fornecedores de linguiça) e diminui custos. Na cozinha há, ainda, mão de obra focada exclusivamente na produção de salgados (bolinhos, quibe, pastel, etc.), incluindo funcionários que estão lá desde o princípio, como Neusa Lima, que reveza com a irmã Graça o comando dos fogões.
 
Chopp da Fábrica
Avenida do Contorno, 2.736, Santa Efigênia, (31) 3241-1766. Aberto segunda, das 11h às 2h; terça, das 11h às 3h; quarta, das 11h às 4h; quinta e sexta, das 11h às 5h; sábado, das 12h às 5h; domingo, das 12h às 3h. 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA