Cardápio eclético

BH ganha franquia do Bar Salomé, de Sorocaba, conhecido por oferecer variadas opções de petiscos

por Eduardo Tristão Girão 18/11/2011 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press
Torre de frango a passarinho do Bar Salomé, aberto recentemente no Bairro Carmo (foto: Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press)
São quatro páginas só de comida no cardápio, com porções variadas, sanduíches frios e quentes, tábuas, aperitivos simples, uma breve descrição da mesa de queijos e frios e até uma curiosa pizza frita. Tudo escrito em letras não muito grandes, o que torna ainda maior a impressão do que a cozinha do recém-inaugurado Bar Salomé é responsável por preparar. De fato, não é pouco o que serve a casa, aberta ao lado do agitado cruzamento das ruas Pium-í e Passatempo, no Carmo, um dos principais points gastronômicos de Belo Horizonte.

A casa é integrante de uma rede que tem matriz em Sorocaba (SP), fundada em 2005, e que agora começa a se espalhar por outras cidades. O ponto foi escolhido pelos franqueados Vinícius Drummond Martins e Mariana Carolina Rios de Simone. Ao ver o grande movimento que caracteriza a região, os administradores que vieram à capital mineira aprovar a decisão do casal não tiveram dúvidas de que tratava-se de bom ponto. “Não teve nem discussão”, lembra ele.

Os 10 meses de reforma transformaram a casa de uso residencial num bar para 160 pessoas. As mesas de madeira foram distribuídas por área ao ar livre (ao lado da calçada; toldo retrátil será instalado em breve), varanda e salão interno. A decoração, cujo estilo pode ser definido como mescla de rústico e retrô, é a mesma em todas as unidades da rede, com algumas paredes de tijolos, pequenos quadros com temas de época e mesa de frios e queijos (R$ 59, quilo) adornada com réstias de alho e embutidos dependurados por perto.

Nenhuma unidade da rede tem sobremesas no cardápio e a intenção de criar uma carta de doces é uma demanda que partiu de Belo Horizonte. No momento está sendo analisada pela matriz. Por outro lado, só o Salomé de Araraquara (SP) tem almoço executivo, serviço que será implantado sem demora na filial belo-horizontina. Por fim, a porção de pastéis passou a ser item em oferta por todas as casas da rede, a partir de sugestão dos franqueados de BH.

CARTA As cachaças são uma das especialidades da casa. Atualmente, são 353 rótulos, dispostos em prateleiras espalhadas pelo ambiente interno. A maioria esmagadora é de Minas e há exemplares do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Pernambuco, Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Ceará. A maior parte das doses não passa de R$ 4,50 e a mais cara é a da Havana, que sai por R$ 65. A carta de cachaça chama a atenção pela organização e conteúdo: estão discriminados nome, cidade e estado de origem, tipo de madeira de envelhecimento, graduação alcoólica e preços (dose e garrafa).

Porções com carnes de boi, frango, porco, peixe e frutos do mar somam quase 30 opções. Saindo do que há de mais habitual, duas pedidas chamam a atenção. A primeira delas é a torre de frango a passarinho (R$ 34,50), que reúne nada menos que dois quilos de carne da ave frita em pedaços com batata frita. A outra é a pizza frita (cerca de R$ 24, cada), feita com massa que lembra a do pastel e oferecida com recheios como carne seca com catupiry e muçarela; queijo com vegetais; e cinco queijos com brócolis.
 
Salomé
Rua Passatempo, 335, Carmo. (31) 3654-5004. Aberto de terça a sexta, das 17h à 1h; sábado, das 12h às 2h; domingo, das 12h às 23h30. 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA