Sabor gaúcho

Costelaria Monjardim traz especialidades do Sul para BH

por Eduardo Tristão Girão 28/10/2011 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pedro Motta/Esp.EM/D.A Press
Prato tradicional rio-grandense, costela é pedida especial (foto: Pedro Motta/Esp.EM/D.A Press)

É bem gaúcha a proposta da mais nova casa do apinhado Bairro de Lourdes. Especializada em costela bovina e galeto, a Costelaria Monjardim foi inaugurada semana passada em imóvel antigo, que antes abrigava um salão de beleza. Com a reforma, criaram-se 350 lugares em diversos ambientes: salões inferior e superior (dentro da casa), corredor ao ar livre e o concorrido quintal com pés de jabuticaba, pitanga e romã, além de espaço infantil com monitor.

“Meu irmão morava em Porto Alegre e eu o visitava bastante. Lá, há grande tradição de galeto e costela. Pelo que vi, os gaúchos praticamente não comem picanha. São duas pedidas fortes no Sul, mas raramente se encontra por lá um lugar que sirva as duas”, conta Leonardo Marques. Com a experiência de trabalhar com carnes, ele é dono dos bares Boteco da Carne e Gonzaga, também em Lourdes. Seu sócio, o advogado Leonardo Lessa, estreia no setor.

A costela (R$ 59; 500g), uma das especialidades da casa, é importada do Uruguai. “Usamos a mesma carne vendida nas boas casas de lá e do Rio Grande do Sul. Ela tem gordura marmorizada e, diferentemente daqui, vem com uma parte do contrafilé”, explica Leonardo Marques. Apesar de mais grossa e de ter mais carne que a equivalente nacional, assa mais rápido por causa do “marmoreio” da gordura. Assada por 90 minutos em celofane, é desembrulhada e finalizada em churrasqueira a carvão.

Pedro Motta/Esp.EM/D.A Press
Galeto pode ser comido com as mãos (foto: Pedro Motta/Esp.EM/D.A Press)
Soma
O galeto (R$ 35,90; porção de 800g) vem de dois fornecedores de Caxias do Sul (RS). Temperado com alho, sal, vinho branco, sálvia, molho de pimenta, azeite e orégano, fica marinando por cerca de 10 horas antes de ir para a parte mais baixa da churrasqueira, bem próxima às brasas. Diferente da costela, servida com farofa, vinagrete e cebola, o galeto chega à mesa cortado, acompanhado por polenta ou batata frita. “O ideal é comê-lo com as mãos, mas sempre mandamos talheres para a mesa”, aconselha Leonardo.

“Geralmente, o galeto que se come fora do Sul é um frango pequeno, de 900g. Na verdade, tem 450g depois de abatido e limpo. A carne é muito diferente. O peito, por exemplo, é bem suculento – não seco, como o do frango. Enquanto o galeto é mais suave, a costela é mais forte. Eles se somam: um não rouba o lugar do outro. Assim, conseguimos atender melhor as pessoas”, observa. A churrasqueira vale uma conferida, pois é metade parrilla (canaletas), metade espetos giratórios.

O cardápio também conta com cortes tradicionais de boi, porco e frango, além de porções, frios, saladas, acompanhamentos e pratos infantis. Chope sai por R$ 5 (300ml); cervejas de garrafa por R$ 6,20 (600ml). Cachaças totalizam nove rótulos (entre R$ 5,50 e R$ 23, dose).

Costelaria Monjardim
Rua Curitiba, 2.076, Lourdes.(31) 2555-2076. Aberta terça e quarta, das 17h30 à meia-noite; quinta, das 17h à 0h30; sexta e sábado, das 12h à 0h30; domingo, das 12h às 22h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA