Jogo de tabuleiro de Game of Thrones traz intriga, alianças e traições para a mesa da sala

Quarta temporada da série da HBO volta no dia 6 de abril

por Marcelo Faria 31/03/2014 18:04

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgação
(foto: Divulgação)
Finalmente traduzido para o português, A Guerra dos Tronos: Board Game é a transição do universo das Crônicas de Gelo e Fogo para a mesa da sala de casa. Para três a seis pessoas, o jogo emula o clima de intriga e conflitos que é visto na série e nos livros de George R. R. Martin – uma opção excelente para quem não aguenta mais esperar a quarta temporada, que estreia no dia 6 de abril na HBO, ou pior, o próximo livro, que não tem previsão para sair.

Diferente de boa parte dos jogos simples disponíveis no mercado brasileiro, A Guerra dos Tronos é relativamente complexo, com mecânicas envolventes e uma duração longa: um jogo chega passa de quatro horas facilmente.

O jogo

Em Guerra dos Tronos: Board Game, cada um dos jogadores assume uma das principais famílias que disputam o trono de ferro: Stark, Lannister, Greyjoy, Baratheon, Tyrell e Martell – os últimos ainda não apareceram muito na série de TV, mas na quarta temporada devem ser bem importantes. Muito diferente de boa parte dos jogos de tabuleiro mais comuns no Brasil, como War ou Banco Imobiliário, neste board game cada facção é bem individualizada em sua jogabilidade, a começar pelo posicionamento: como o tabuleiro é um mapa de Westeros, os territórios e tropas de cada jogador é definido pela família que ele escolheu. E essa configuração inicial também define quem serão seus adversários diretos ou possíveis aliados.

O objetivo final do jogo é conquistar seis territórios com castelos. Para isso, os jogadores contam não apenas com seus exércitos, mas também com a diplomacia: alianças apalavradas entre os participantes são fundamentais no desenvolvimento da partida, assim como traições, intrigas e conflitos.

 

Letícia Orlandi/EM/D.A Press
(foto: Letícia Orlandi/EM/D.A Press)
 

 

As regras mais legais são as que envolvem o limite tênue entre colaboração e competição entre os jogadores. Para lidar com as invasões de selvagens na muralha, por exemplo, todos os jogadores devem disponibilizar recursos – caso não consigam força suficiente para deter o ataque, todos perdem junto, sendo que quem doou menos sofre penalidades piores. Em outros momentos, os participantes se envolvem em alianças em um turno apenas para apunhalar o antigo amigo na jogada seguinte e ganhar o jogo.

Game of Thrones: Board Game foi criado pela Fantasy Flight, um dos melhores estúdios de game design do mundo. A versão traduzida é da Galápagos Jogos e pode ser comprada aqui e aqui.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GAMES