Então, brilha! Veludo é aposta para o próximo inverno

Tecido até então associado ao requinte das festas, o veludo volta à cena nesta temporada de frio com uma proposta bem diferente, já que não fica mais restrito a eventos noturnos

por Celina Aquino 03/05/2017 12:04

Divulgação
Pat bo, Apartamento 03, Iódice, Ratier e Dres To apostam no tecido para estação fria (foto: Divulgação)

Luxo e sofisticação traduzem bem as origens do veludo. Era ele que se destacava nas roupas mais requintadas de reis e rainhas e, mesmo com o passar dos séculos, o tecido se manteve ligado a trajes de festa. Só que agora a história é outra. O material que é a cara do passado ressurge com shapes, cores e combinações atualizadas para conquistar a nova geração. Em alguns momentos, ele até aparece com uma pegada mais urbana e descolada, distanciando-se do sofisticado. Para montar looks diferentes, vale dar uma espiada em roupas de veludo esquecidas no armário, que podem e devem voltar à rua neste inverno.


A volta do veludo é mais uma das provas de que o passado tem espaço no presente. “A moda e as tendências são feitas de ciclos. O veludo foi muito usado nas décadas de 1960 e 1970 e reapareceu em peso nos últimos desfiles internacionais”, observa o estilista Valdemar Iódice. Por isso, a etiqueta que ele comanda deu uma nova chance ao tecido, que ficou escondido por muito tempo no guarda-roupa. Ainda mais na temporada de inverno, que pede uma roupa mais aconchegante.

Ze Takahashi / FOTOSITE
Iódice (foto: Ze Takahashi / FOTOSITE)

Pensando na mulher atual, o estilista trabalhou o veludo em modelagens versáteis e peças-chaves como macacões, vestidos e casacos. O tecido também aparece em blusas, saias, calças e até nas bolsas e sandálias, principalmente nas cores bordô, marinho, mostarda, verde-musgo, preto e caqui. Em destaque, peças em veludo molhado com aplicações de pequenos espelhos redondos, que revelam a referência ao movimento punk, explorado na coleção que une o universo do rock a elementos da cultura indiana, como bordados, estampas e brilhos.


Para o estilista, não há regras para usar o veludo. “O tecido é muito versátil. Pode ser usado tanto em um vestido longo com decote poderoso para a noite quanto em um macacão ou casaco tipo quimono para o dia”, reforça. Seguindo as orientações de Valdemar, quem ainda não se sente à vontade para explorar a tendência pode começar combinando-o com outras peças mais neutras.

Leandro Godoi/Divulgação
Ratier (foto: Leandro Godoi/Divulgação)

A estilista Carol Caetano, da Cajo, buscava um tecido que desse cara nova para o inverno e apostou na versatilidade do veludo. Nas araras, podem ser encontradas roupas do tecido em versão fosca, cotelê, devorê, mas o que chama mesmo a atenção das clientes é a molhada. “O brilho traz um diferencial. Além disso, ele tem um caimento muito bacana, tem peso, então a modelagem fica interessante tanto em uma peça estruturada quanto em uma soltinha”, detalha. Carol alerta apenas para os exageros na produção, já que o veludo, principalmente molhado, se destaca sozinho.


Mesmo em uma peça preta, cor que domina na temporada de frio, o veludo sai do comum, segundo a estilista, porque traz uma textura diferente de tudo o que a mulher já tem no guarda-roupa. De qualquer forma, Carol trabalhou o tecido da forma menos óbvia possível. Em nenhuma das peças ele aparece liso. “Trabalhamos o veludo recortado a laser em forma de flores e arabescos e aplicado na base do tecido, que é uma tela, então fica com cara de renda. É veludo, porém não fica chapado, ganha texturas e recortes”, explica. A técnica aparece em jaqueta bomber e short, assim como em um vestido longo, com modelagem sereia, decote em V profundo e mangas longas.


Pela previsão de Carol, o tecido deve continuar nas próximas temporadas de frio. Não em peças inteiras, mas em detalhes, como os bordados de um vestido de festa da marca.


Veludo em coleção inspirada no hip-hop? Pois é, neste inverno a PatBo deu a prova de que o tecido não precisa necessariamente ficar restrito à formalidade das festas noturnas. A ideia era reinterpretar o material com referências de movimentos de rua, mostrando toda a sua versatilidade na moda. “Além de ter uma pegada mais sofisticada, o veludo pode ser usado em looks mais casuais, com bossa cool e descomplicada”, defende a estilista Patricia Bonaldi.

DIA E NOITE

 

Marcia Fasoli/Divulgação
Pat bo (foto: Marcia Fasoli/Divulgação)

 

A marca investiu no veludo molhado, que tem um brilho ainda mais marcante e, com isso, ganha um ar mais sofisticado. Para dar cara nova a um velho conhecido, a estilista trabalhou com diferentes shapes do universo sportwear, incluindo jaqueta bomber, calça jogger, parca, moletom e jumpsuit, novo nome para o tradicional macacão. Na cartela de cores, destaque para preto, prata, bordô e marinho. Há peças lisas e outras que misturam esses tons. “O mais bacana dessa coleção é que, pelo fato de ter referências atuais das artes de rua, ele pode ser usado tanto de dia quanto de noite”, aponta.


Outra forma de atualizar o veludo é incluí-lo em looks no estilo hi-lo (high-low), que consiste em combinar peças luxuosas com outras mais descoladas. Isso tem tudo a ver com a proposta da marca, que nessa temporada une a delicadeza de seu trabalho ao universo de streetwear, que tem uma pegada mais utilitária. “O veludo molhado por si só já é uma peça luxuosa, então aposte em acessórios e sapatos mais despojados, como tênis, para montar um look cheio de personalidade”, orienta.

 
O brilho da vez

Leandro Godoi/Divulgação
Ratier (foto: Leandro Godoi/Divulgação)

O veludo surge como opção de brilho para este inverno, segundo a consultora de moda e imagem Camila Godoi. 
“É um material muito rico, muito sofisticado, que nos remete ao luxo das roupas da realeza, dos palácios, mas você pode dar a cara que quiser a esse luxo, porque desta vez ele veio bem democrático. Basta inseri-lo no estilo que você já gosta”, opina. Para as mulheres mais descoladas, Camila indica utilizar o veludo com jaqueta, camisa jeans ou moletom, que todo mundo tem no guarda-roupa, ou outro item da moda urbana, como tênis ou flatform. “Isso dá uma cara streetwear para o veludo que, na nossa cabeça, só serve para vestido de festa.” Pensando em um estilo roqueiro, vale misturá-lo com jaqueta de couro ou acessórios com metal, entre spike e correntes. Já as mais românticas devem investir em blusas de veludo com rendas, mangas bufantes ou babados. Nem a executiva fica de fora da tendência, já que pode combinar um vestido de veludo com sapatilha e blazer e ir tranquilamente para uma reunião.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE FEMININO