Grupo Afoxé Bandarerê comanda a homenagem à Iemanjá neste domingo na Pampulha

Celebração de saudação de orixá terá os blocos Baianas Ozadas e Angola Janga

por Márcia Maria Cruz 05/02/2017 10:30
Click Estúdio Profissional/Divulgação
(foto: Click Estúdio Profissional/Divulgação)
Um dos orixás mais populares do Brasil, Iemanjá será reverenciada por blocos afros e grupos de religiões de matriz africana de Belo Horizonte. A partir das 17h de hoje, em frente ao monumento de Iemanjá na Lagoa da Pampulha, eles celebrarão, lançarão oferendas nas águas e farão apresentações para a yaba que, nos cultos africanos, é a senhora das águas salgadas, rainha do mar, protetora dos pescadores, deusa da fertilidade e da feminilidade. Pelo quarto ano consecutivo, o Afoxé Bandarerê vai conduzir a liturgia, que, este ano, passa a fazer parte do calendário oficial da cidade e receber apoio da Prefeitura de Belo Horizonte e da Belotur. Logo depois da celebração, haverá apresentações dos blocos Baianas Ozadas e Angola Janga e do próprio Afoxé Bandarerê.


Mesmo longe do mar, os adeptos das religiões africanas não deixam de celebrar na capital mineira. A tradição de lançar flores e perfumes ocorre na virada do ano e em 2 de fevereiro, dia dedicado à Iemanjá, em cidades litorâneas – a maior celebração é no Rio Vermelho em Salvador. Na Pampulha, as oferendas serão entregues num balaio feito com material reciclável. Os organizadores destacam que o balaio foi produzido com arranjos de flores e papel reciclável para não impactar o meio ambiente.

No momento de realização de um cortejo, um boneco do Grupo Giramundo, inspirado em Oxossi, se integra aos filhos de Iemanjá e simpatizantes. “Fiquei encantada com a energia e a força dos ensaios do Afoxé Bandarerê. A partir daí nasceu a ideia de confeccionar um boneco de vara representando o orixá masculino, símbolo da caça, da fartura e do trabalho”, afirma Beatriz Apocalypse, uma das diretoras do grupo.


A cofundadora do bloco afro Angola Janga, Nayara Garófalo, considera que a celebração é um avanço na busca pela igualdade racial e diversidade religiosa. “Vemos procissões da Igreja Católica pelas ruas, cultos das religiões evangélicas na TV, mas as religiões de matriz africana são mantidas à margem. Dá uma impressão de que se faz escondido. Não nos escondemos, são eles que nos escondem”, pontua. Em sua avaliação, é um avanço, num estado laico como é o brasileiro, poder exercer a religiosidade afrocentrada em espaços públicos da cidade.

Com 120 integrantes da bateria e do corpo de baile, o Angola desfilará pela segunda vez no carnaval de Belo Horizonte. Fundado no ano passado, o grupo se dedica ao “empoderamento negro nas práticas e repertórios”, com a realização de ensaios artísticos e culturais, assim como a realização de rodas de conversas em escolas e universidades sobre questões relativas à igualdade racial. “Professar nossa religião em público é essencial. Por muitos anos, fomos silenciados e mesmo impedidos que tais manifestações ocorressem”, diz Nayara.

Devido ao sincretismo religioso, Iemanjá também é reconhecida como Iara, a sereia do Amazonas, ou como as santas católicas, Nossa Senhora dos Navegantes, Nossa senhora da Glória e Nossa Senhora da Conceição.


4º PRESENTE PARA IEMANJÁ

Apresentação do Afoxé Bandarerê e dos blocos Baianas Ozadas e Angola Janga. Hoje, a partir das 17h, na orla da Lagoa da Pampulha (Avenida Otacílio Negrão de Lima, em frente ao monumento de Iemanjá, Pampulha). Aberto ao público.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS