YouTube ganha canais personalizados de atores da TV aberta que buscam compartilhar experiências

No Brasil, o canal já é mais assistido que os de TV paga, mas ainda não superou as emissoras abertas

por Rebeca Oliveira 25/12/2016 12:20
YouTube/Reprodução da Internet
Com foco nos jovens, Caio Castro acredita que a web é espaço livre para mostrar o que acontece em sua vida (foto: YouTube/Reprodução da Internet )

Enquanto as emissoras televisivas perdem audiência, o YouTube abocanha uma parcela cada vez mais significativa do público. Recentemente, um estudo da consultoria Nielsen encomendado pelo Google constatou que a audiência do YouTube é maior do que qualquer emissora de TV norte-americana entre o público de 18 a 49 anos. No Brasil, segundo pesquisa da empresa Provokers, ele já é mais assistido que os canais de TV paga, mas ainda não superou as emissoras abertas. O ênfase no “ainda” é proposital: 82 milhões de brasileiros veem conteúdo audiovisual da primeira forma. Aposentaram de vez o controle remoto.


Essa conjuntura explica, em parte, um movimento recente e que ganha novos adeptos a cada dia: a criação de canais no YouTube onde os protagonistas são atores. Em geral, os canais foram criados por nomes jovens, com público idem. Foi o que aconteceu com Caio Castro. No mês passado, ele lançou o canal homônimo em que apresenta, principalmente, bastidores de viagens e da prática de esportes. “Queria compartilhar de alguma forma as experiências que tive durante a viagem da Califórnia para o Brasil. E a forma que eu encontrei foi criando esse canal no YouTube. Como todo mundo sempre me pede para contar um pouco mais sobre a minha vida também, já aproveitei e estou gravando novos episódios”, conta o artista.

 

YouTube/Reprodução da internet
Página da atriz Julia Faria traz dicas de a viagem que ela quer perpetuar (foto: YouTube/Reprodução da internet)

Apesar da inserção na plataforma digital, Caio Castro não abandonará a TV no formato clássico. Tanto que, há pouco, embarcou para Portugal, onde se prepara para viver o personagem dom Pedro I na novela Mundo novo, que tem estreia prevista para 2017 no horário das 18h, na Rede Globo. Ele acredita que, diferente dos folhetins, onde se encaixa dentro de uma proposta mais abrangente e segue roteiros específicos de cada papel, na web é livre para ser “o Caio de verdade”. “As pessoas poderão ver de fato o que acontece na minha vida”, adianta. O canal tem cerca de 10 mil inscritos, com vídeos assistidos mais de 114 mil vezes.

VIAGENS
Colega de emissora, a atriz Julia Faria (que esteve no ar em Haja coração) também tem um canal para chamar de seu. A jovem tem milhares de seguidores no Instagram e resolveu transferir essa popularidade para o YouTube, onde está no ar há dois meses. Assim como Caio Castro, o foco são viagens, em conteúdos postados todas as quintas. O primeiro vídeo foi assistido por mais de 30 mil pessoas e mostra a passagem pela Chapada dos Veadeiros, em Goiás – sim, o refúgio ecológico de muitos brasilienses. “Por vezes fiz imagens incríveis em viagens ou histórias que eu gostaria de ter guardado e perdi depois de 24 horas porque o aplicativo Snapchat expira. Foi um caminho natural da brincadeira”, explica a atriz de 29 anos.


YouTube/Reprodução da internet
Sophia Abrahão mantém média mensal de 4 milhões de visualizações (foto: YouTube/Reprodução da internet)

Embora seja grande a migração dos espectadores da TV para a web, Julia Faria afirma que não criou o canal como um “plano B” caso a crise dos canais abertos se acentue ainda mais. “No meu caso não tem a ver com isso. Foi só vontade de brincar mais. Como um Snap, que eu já era viciada e me divertia muito, mas sem limitador de segundos e que não expiraria no dia seguinte. Estou tateando ainda, adorando a brincadeira!”, afirma a atriz, que já postou dicas de Nova York, Barcelona e México.

PIONEIRA A atriz, cantora e blogueira Sophia Abrahão é uma das pioneiras no uso do YouTube atrelado à carreira na televisão. O canal pessoal existe desde 2009 e a média mensal de visualizações é de 4 milhões até hoje. “A razão de eu ter outras vertentes na minha carreira é que eu amo estar em movimento e alerta às mudanças e transformações, isso faz parte de mim, da minha personalidade”, revela a artista, que também é cantora e teve o disco de estreia, homônimo, indicado ao Grammy Latino. “Acho importante estar atenta às novas ferramentas, pois é uma forma de me comunicar com as pessoas e mostrar o meu trabalho. Eu amo fazer televisão, amo o teatro e as telas de cinema e não vou parar com nada disso. Mas, onde tiver portas abertas e bons trabalhos, estou dentro”, finaliza.


Além de Caio Castro, Julia Faria, e Sophia Abrahão, a atriz Milena Toscano também faz sucesso no YouTube com a publicação de receitas e dicas culinárias. Cleo Pires também utiliza a rede, mas não como um canal. Ela apenas reproduz os vídeos feitos para o site pessoal na plataforma.

Vida de popstar

Fenômeno no mundo virtual, crianças entre 5 e 12 anos têm vivido rotina de popstar após alcançar a fama com vídeos no YouTube. Esta é a segunda geração de youtubers, a dos mirins, e foi motivada pela categoria teen, dos adolescentes. Há crianças de 4 anos com canal na plataforma. Outras, aos 7, já publicaram livros sobre a experiência. Há caso ainda de youtuber que, após chegar ao sucesso, passou a frequentar psicólogo para tratar sobre fama e frustração.


Com mais de 1 milhão de seguidores, Manoela Antelo, de 11 anos, foi eleita no ano passado uma das cinco crianças brasileiras mais influentes nas redes sociais, segundo levantamento da agência iFruit, especializada em celebridades. A garota tem vários fã-clubes e acumula seguidores até em Portugal. Ostenta uma placa do YouTube com o botão “play de ouro”, presente da plataforma concedido aos criadores do canal que atingem a marca de 1 milhão de inscritos.


“Tive ideia da dimensão que o canal estava tomando quando a primeira criança reconheceu a Manoela na rua”, diz a mãe, Vênus Antelo, assistente administrativa. “Pergunto: ‘Filha, você não quer fazer teatro? Fazer teste para alguma novela?’. Ela não quer porque o YouTube dá a possibilidade de não ter roteiro, nem rotina, e de ser você mesmo”.

Este ano, a menina mudou de escola e foi rodeada por fãs logo no primeiro dia de aula. Na semana passada, o coordenador levou uma colega até a sala de Manoela, que queria tirar uma foto com a youtuber. Vez por outra ela recebe cartinhas de crianças mais novas do colégio, fãs dos seus vídeos. “Acaba se tornando um grande evento quando ela aparece em algum lugar que tenha criança”, afirma Vênus.


Para Maria Eduarda, que gravou os primeiros vídeos aos 8 anos no canal Duda Monster High, “tudo começou como uma brincadeira”, diz a mãe, Luécia Brucceli. “Mas tudo engrenou mesmo há um ano. A Duda está levando mais a sério”, explica a agricultora, que administra as contas da filha e exclui comentários ofensivos para evitar que Duda os leia.
Com 379 mil seguidores e vídeos com mais de 82 milhões de visualizações, hoje a menina tem 11 anos, é reconhecida em shoppings e aeroportos, tem livro publicado e já recebeu abraço de fã aos prantos em encontros de youtubers. A mãe diz que Duda gravou o primeiro vídeo escondida, com o avô. “Fiquei assustada e brava. Mas depois fui entendendo que é uma diversão. Ela gosta muito desse universo. Agora começou a fazer teatrinho no canal. E me pergunta: ‘Será que eu seria uma atriz boa?’. Fica fantasiando. É coisa da idade”, explica. (Juliana Diógenes/Estadão Conteúdo)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS