Principal evento geek do país, Comic Con Experience começa nesta quinta

Evento ocorre até o domingo e tem como espectativa de público mais de 180 mil visitantes

por Diário de Pernambuco 01/12/2016 14:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Gustavo Scatena/Divulgação
Última edição do evento atraiu mais de 150 mil pessoas, público interessado por séries, HQs e videogames (foto: Gustavo Scatena/Divulgação)
O nerd é o novo pop. Aliás, nem tão novo assim, já que o estereótipo parece ter sido superado há um bom tempo e o termo perdeu a conotação negativa perpetuada por décadas. Prova disso é o sucesso de eventos destinados a esse público, como a Comic Con Experience (CCXP), que será realizada em São Paulo entre quinta-feira e domingo. Criada em 2014, a convenção reuniu, na última edição, 152 mil pessoas, e vai ganhar, no próximo ano, uma versão regional com o nome CCXP Tour Nordeste, programada para o período de 13 a 16 de abril, no Recife.


As convenções, vistas como o epicentro de divulgação da produção geek mundial, espelham o potencial do fenômeno nerd no mercado de TV, cinema e quadrinhos. Adaptada das HQs, por exemplo, a série televisiva The walking dead é recordista em audiência (mais de 17 milhões de espectadores na estreia da sétima temporada nos Estados Unidos). Seriados com temáticas consumidas pelo público geek como The big bang theory, Game of thrones e Arquivo X figuram entre as cinco ficcionais mais vistas no último semestre de 2015. No cinema, a situação é semelhante: as adaptações de super-heróis arrecadaram mais de US$ 4 bilhões no mundo em 2016 - a maior delas, Capitão América: Guerra civil, alcançou US$ 1,153 bilhão (US$ 40,8 milhões no Brasil).

 

A simbiose entre o mundo geek e a cultura pop tem rendido não apenas boas cifras para estúdios e produtoras, mas tornado popular o que antes poderia ser considerado de nicho, como heróis, zumbis e fantasias medievais. É justamente apostando nessa audiência que as Comic Cons cresceram no Brasil e no mundo. A San Diego Comic-Con, realizada desde 1970 na Califórnia, nos EUA, cresceu tanto que o centro de convenções local não comporta mais todas as atrações do evento, alocadas também em outros espaços da cidade. No Brasil, a CCXP de São Paulo começou ocupando, na primeira edição, em 2014, uma área de 40 mil metros quadrados. Neste ano, são 100 mil metros quadrados. As feiras reúnem um pouco de tudo aquilo que costuma povoar o imaginário de quem é apaixonado por quadrinhos, cinema, literatura, videogame e televisão. Palestras de artistas famosos, sessões de autógrafos, exibições de conteúdo inédito de superproduções cinematográficas, lojas e estandes de expositores como Netflix, Disney, Sony Pictures, HBO, Marvel e DC Comics.

 

Das mais de 40 comic cons pelo mundo, a CCXP de São Paulo é a maior do gênero na América na Latina e deve atrair, neste ano, mais de 180 mil visitantes. A área destinada aos quadrinistas, a chamada Artist’s Alley, receberá 462 autores, entre desenhistas e roteiristas, nacionais e internacionais, que estarão comercializado obras, autografando ou produzindo artes. A extensa relação de participantes da Artist’s Alley tem de autores clássicos como Bill Sienkiewicz (Elektra: Assassina) e Alan Davis (Excalibur) a contemporâneos como Frank Quitely (All-star Superman) e Marcello Quintanilha (Tungstênio). Outro medalhão presente no evento é Frank Miller que participa de painel sobre O cavaleiro das trevas III, sequência de um dos mais aclamados quadrinhos do Batman. A escolha da capital pernambucana para sediar o evento, que deve receber até 60 mil pessoas, não é por acaso. "Recife é uma das cidades mais geeks do país, com uma posição central, próxima de outras capitais do Nordeste", afirma um dos sócios da CCXP, Ivan Costa.

 

O evento ocupará o Centro de Convenções por quatro dias. "Uma vantagem que se tem é o fato de já termos duas edições bem-sucedidas realizadas e outra prestes a acontecer. O evento está mais maduro", ressalta. A ideia, acrescenta, é realizar programações distintas nos dois eventos, para motivar o público a participar de ambas as edições. Os preços dos ingressos não foram divulgados, mas as vendas começarão em dezembro. Entre os expositores, estão com presença garantida na edição regional, as lojas oficiais da Warner, Iron Studios, Social Comics e Mundo Geek. Segundo a organização, já existem negociações avançadas com artistas, estúdios e outras marcas relacionados à cultura pop.

 

Pioneirismo

O primeiro evento do gênero que se tem notícia foi realizado em 27 de julho de 1964, em Nova York, nos Estados Unidos. Embora a pioneira Comicon não tenha sido exatamente um sucesso de bilheteria (reuniu pouco mais de cem pessoas), revelou que, sim, existia público interessado em interagir com outros fãs de quadrinhos e artistas da área. Um dos organizadores da feira foi Len Wein, que quatro anos depois seria contratado pela DC Comics como roteirista. O autor é co-criador de dois importantes personagens: Monstro do Pântano e Wolverine. A estreia da convenção teve, entre os convidados, Tom Gill, desenhista da HQ Lone Ranger (O cavaleiro solitário) e Steve Ditko, o-criador com Stan Lee do Homem-aranha e responsável pela arte nos três anos iniciais da revista do personagem.

 

Fã desde cedo

 O criador de As crônicas de gelo e fogo, saga literária que se popularizou pela série de TV Game of thrones, George R. R. Martin, tem perfil similar ao de muita gente que reverencia a obra dele. Leitor de quadrinhos e ficção científica, o autor foi, na adolescência, o típico fã de cultura pop: escrevia para as seções de cartas de revistas como Quarteto fantástico e colaborou com diversos fanzines. Um detalhe curioso na biografia do escritor é que ele esteve presente na primeira convenção de quadrinhos de Nova York e, segundo organizadores da Comicon de 1964, foi o comprador do ingresso número um da feira. Hoje, Martin está do lado oposto e é atração requisitada para eventos do gênero.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS