Diretor Hector Babenco morre aos 70 anos

Argentino, radicado no Brasil, o cineasta é considerado um dos principais nomes do cinema nacional

por Estado de Minas 14/07/2016 09:06

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
TIZIANA FABI/AFP
(foto: TIZIANA FABI/AFP)
O diretor de cinema e teatro Hector Babenco morreu na noite desta quarta (13) em São Paulo. Ele tinha 70 anos e teve uma parada cardíaca. Babenco deixa duas filhas, Janka e Myra, dois netos e sua mulher, Bárbara Paz. O velório será das 10h às 15h, amanhã, 15 de julho, na Cinemateca Brasileira.

Radicado no Brasil desde os 19 anos de idade, Babenco nasceu na Argentina. Em 1977 foi naturalizado brasileiro. É considerado um dos nomes mais importantes na produção cinematográfica nacional.

O beijo da Mulher-Aranha (1985) lhe rendeu uma indicação ao Oscar na categoria de melhor diretor. O longa, protagonizado por Sônia Braga e Raul Julia, era baseado no livro homônimo de Manuel Puig. Na trama, um militante de esquerda e um homossexual dividem uma cela.

Outro clássico da filmografia de Hector Babenco é Pixote, a lei do mais fraco (1982), protagonizado por Marília Pera. É a história da amizade de uma prostituta e um garoto de rua.

Em 2003, o cineasta adaptou para o cinema o livro Carandiru, de Drauzio Varella. Com Rodrigo Santoro, Gero Camilo, Luiz Carlos Vasconcelos, Milton Gonçalves e grande elenco é um das produções nacionais de maior bilheteria da história.

Meu amigo hindu, protagonizado por William Dafoe foi definido pelo diretor como “uma ficção alimentada com as suas memórias”. O longa lançado em 2015 é a história de um cineasta com câncer.

No teatro, Hector Babenco estreou na direção em 1988. Loucos de amor tinha texto de Sam Shepard, com Edson Celulari, Xuxa Lopes, Antonio Calloni e Linneu Dias. Em 2000, dirigiu Closer – Mais Perto, de Patrick Marber, com Renata Sorrah, José Mayer, Marco Ricca e Guta Stresser.

A incursão mais recente nos palcos foi em 2010 com a adaptação de Hell, da escritora francesa Lolita Pille. Bárbara Paz, mulher do diretor, era a protagonista ao lado do ator Ricardo Tozzi, depois substituído por Paulo Azevedo.

Filmografia

2016 - Meu Amigo Hindu

 



2007 - O Passado


2003 - Carandiru


1998 - Coração iluminado



1990 - Brincando nos campos do Senhor



1987 - Ironweed

1984 - O beijo da mulher-aranha, (que rendeu o Oscar de melhor ator a William Hurt)



1980 - Pixote, a lei do mais fraco



1977 - Lúcio Flávio, o passageiro da agonia



1975 - O rei da noite

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS