Exposição celebra dia do artesão

Mostra no Centro de Arte Popular Cemig traz cerca de 50 obras de quatro escultores

por Walter Sebastião 18/03/2016 13:42

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Vai ser aberta sábado (dia 19), às 10h, no Centro de Arte Popular Cemig, a exposição Arte popular do médio São Francisco. A curadoria é de Heloísa Trindade e a mostra traz cerca de 50 obras de quatro escultores: José Francisco Lopes Figueiredo, Liko de Oliveira, Lucindo Barbosa e Valdir Rodrigues da Silva, os dois últimos já falecidos.

A mostra comemora o Dia do Artesão. A maioria das peças são esculturas em madeira mas a mostra apresenta também papiertagem (uma mistura de cola, massa de papel e barro). Peças que trazem observação do cotidiano dos ribeirinhos.

A exposição, explica Heloísa Trindade, traz quatro artistas pouco conhecidos em Minas Gerais, mas que já apresentaram suas obras em outros estados. Que mostram peças que recriam festas, personagens, lendas etc. “Admiro a obras por ter dimensão de memória, de crônica, que não é fotográfica, mas reinterpretação da vida cotidiana que abarca também o imaginário”, conta a curadora, explicando que está na mostra alguns bichos fantásticos.
Rafael Perpétuo/Divulgação
São Francisco do artista plástico Liko de Oliveira (foto: Rafael Perpétuo/Divulgação)

“Temos de valorizar o artesão. As coisas passam e a memória delas ficam devido ao trabalho destes criadores”, afirma Heloísa Trindade, apontando o que deve ser lembrado no Dia do Artesão. “São pessoas simples, verdadeiros artistas, que produzem coisas maravilhosas. E que precisam ser valorizados em todos os aspectos”, acrescenta. “Tudo que o povo brasileiro precisa, eles precisam”, observa, defendendo valorização do trabalho dos artesãos.

“Minas Gerais é um dos estados do Brasil mais ricos em manifestações artesanais”, afirma Heloísa Trindade. Se já existe quem dá valor a esta produção, também existe quem precisa gostar mais dela. A dica para começar a curtir o artesanato, para a curadora, é uma atitude:

“Valorizar o feito a mão, o feito por gente, sair da mesmice das coisas industriais, chinesas, que não tem nada a ver com a nossa cultura”.
Arte popular do Médio São Francisco, trabalhos de José Francisco Lopes Figueiredo, Liko de Oliveira, Lucindo Barbosa e Valdir Rodrigues da Silva.

 

 

ARTE POPULAR DO MÉDIO SÃO FRANCISCO

Sábado (dia 19), às 10h. Centro de Arte Popular Cemig, Rua Gonçalves Dias, 1608, Lourdes, (31) 3222-2331. Domingo, terça, quarta e sexta-feira, das 10h às 19h; quinta-feira, das 12h às 21h; sábado, das 12h às 19h. Até dia 3 de abril. Na ocasião será feito relançamento doo relançamento Dicionário da Religiosidade Popular, de autoria de Frei Chico.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS