Curadores do FIT-BH apontam as diretrizes para escolha dos grupos de teatro locais

Reunidos pelo Estado de Minas, Carloman Bonfim, Luiz Hippert e Sérgio Abritta comentam os desafios da próxima edição do festival marcada para maio

por Eduardo Tristão Girão 15/02/2016 08:42

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
Carloman Bonfim, Sergio Abritta e Luiz Hippert apostam na diversidade (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
Belo Horizonte tem produção teatral boa em qualidade e diversidade. O problema eterno é descobrir como levar o público ao teatro. A época é de efervescência, sobretudo graças aos coletivos que ocupam espaços como galpões, garagens e a própria rua. O dito “teatro comercial”, de linguagem convencional, ajuda a encorpar essa cena na cidade. Grupos que mantêm sede própria, por sua vez, desempenham importante papel de resistência. Por fim, dramaturgos muito bons têm sido revelados, o que estimula o desenvolvimento da crítica teatral local.


Estão aí algumas das opiniões dos novos curadores do Festival Internacional de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte (FIT-BH), reunidos pelo Estado de Minas para uma conversa sobre o evento, previsto para maio. No momento, Carloman Bonfim, Luiz Hippert e Sérgio Abritta estão no meio do processo de seleção das montagens locais que farão parte da grade de programação do evento, que tradicionalmente reúne também produções de outros estados e países.


Eles começaram a assistir às peças da capital mineira e região metropolitana no início do ano e têm até o fim do mês que vem para decidir o que entra ou não. Ao contrário das edições anteriores, não houve chamamento público para realizar essa seleção. O trio de curadores é que deverá encontrar produções em consonância com o tema do festival: resiliência. Ou seja, as produções devem ter a ver com a ideia de recuperação, de adaptação diante de situações desfavoráveis.

“Não basta que o espetáculo seja político. No meu entendimento, é resistência contra a opressão de grupos vulneráveis ou pressionados pelo capital, por exemplo. Há diversos temas que podem se adequar a isso, enfrentando questões como essas, que são prementes na nossa sociedade”, esclarece o dramaturgo, produtor e diretor Sérgio Abritta. E, nesse sentido, os três acreditam que o teatro leva certa vantagem em relação às demais formas de arte.

“Uma das principais armas do teatro é a presença, pois ele se dá no tête-à-tête, no olhar entre o espectador e o ator. Isso propõe uma vivência, você está em convívio com as pessoas. E, dependendo do que o teatro propõe, você pode se pronunciar e colocar sua opinião dentro do que está sendo discutido. Além disso, há a própria reflexão que todo espetáculo estimula no espectador”, comenta o ator, diretor e figurinista Carloman Bonfim.

Para o cronista, diretor e produtor cultural Luiz Hippert, o teatro é a única arte que permite esse tipo de comunicação. “Hoje se fala muito em interação, mas, no teatro, isso é mais quente”, resume. Na avaliação dele, a grande dificuldade do FIT será a de deixar espetáculos de fora entre opções aptas a compor a grade do festival. Abritta acrescenta: “Todo teatro é político, mesmo aquele que se diz não político. O grande momento de decisão é esse.”

DIFERENCIAL Outro critério que norteará as escolhas do trio será o de pinçar o que foge do lugar-comum – ou, nas palavras de Abritta, montagens que “o espectador não quer ver”. Ele mesmo explica: “São espetáculos absolutamente importantes, mas que são diferentes daquilo que é mostrado pela indústria cultural ao longo do ano. O FIT resgata essas peças e, como se trata de um grande evento, grande parte da população acaba tendo contato com elas”.

Já Hippert destaca o fato de o evento reunir produções de diferentes origens e servir como importante vitrine para as produções locais. “Às vezes, o público não deu muita atenção a um determinado espetáculo e acaba assistindo a ele durante o festival.” Carloman lembra que o FIT também atrai produtores e olheiros do setor vindos de outras regiões e países, transformando as apresentações em oportunidades valiosas para grupos locais. “E por mais que seja um grande evento, ainda há pessoas daqui que não conhecem esses grupos”, diz ele.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS