Festival Verão Arte Contemporânea aposta no diálogo entre as linguagens artísticas

Clássico e moderno convivem na programação, que vai até fevereiro

por Carolina Braga 08/01/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rafael Fares/Divulgação
(foto: Rafael Fares/Divulgação)
Ser contemporâneo é estar aberto a conviver com as diversas formas de arte. Esse sempre foi o preceito do Verão Arte Contemporânea (VAC). A mostra, que começa hoje, chega à 10ª edição reafirmando sua essência, apesar das dificuldades. Até 5 de fevereiro de 2016, vinte e um espaços de Belo Horizonte receberão 41 atrações nas áreas da dança, teatro, música, artes visuais, cinema, literatura, arquitetura, moda e gastronomia.


“Nosso lema nunca foi quantidade, mas qualidade. Que a qualidade leve à quantidade, ótimo. Pensamos na formação de público”, ressalta Ione de Medeiros, diretora do Grupo Oficcina Multimédia, idealizador do evento. Em 2007, o VAC nasceu como um projeto independente. Artistas convidados toparam participar mesmo sem garantia de cachê. Como o público respondeu positivamente, o VAC adotou o formato básico das leis de incentivo à cultura. Até o ano passado, era realizado com R$ 350 mil. Devido ao contingenciamento por parte das empresas patrocinadoras, a edição de 2016 recebeu R$ 169 mil. “É bem menos do que a gente conseguia. A parceria com os artistas voltou a ficar gigante”, explica Jonnatha Horta Fortes, integrante do Oficcina.

Inspirada na ideia do diálogo do contemporâneo com o clássico – aliás, essa é uma parceria necessária –, a abertura do VAC será realizada hoje, para convidados, e amanhã, para o público. O lago do Parque Municipal será tomado por uma barqueata, com desfile de 15 barcos alegóricos. Batizada Ora (direis) ouvir estrelas, em referência a poema de Olavo Bilac, a performance homenageia O lago dos cisnes, obra-prima do compositor Tchaikovsky.

“Os barcos vão desfilar ao som de valsas e música clássica, com todo aquele ambiente sonoro. Depois do desfile, vamos para o Teatro Francisco Nunes”, informa Jonnatha. No palco, o quarteto de cordas Ricercar executará dois contrapontos de Arte da fuga, de Bach, paralelamente à exibição de imagens em vídeo de obras do arquiteto Frank Gehry e do pintor Mark Rothko.

A Cia. Sesc de Dança vai interpretar coreografias revestidas de roupagens neoclássicas ao som de peças de Bach e Prokofiev. “É uma companhia jovem, com qualidade técnica incrível. A gente vê neles a retomada do rigor técnico que o contemporâneo às vezes abandona. É possível dialogar com isso”, afirma Jonnatha, referindo-se ao grupo mineiro.

Embora a programação do VAC não cresça em tamanho, buscou-se aprofundar as propostas de conexão. “A gente pretende brindar a nossa própria continuidade. Cada montagem exige muito esforço, queremos que isso apareça em algum momento”, afirma Ione de Medeiros. Por isso, vários artistas em cartaz – principalmente nas áreas de teatro, dança e música – participaram de outras edições do VAC.

CINEMA Na agenda do VAC, o cinema ganhou reforços do exterior. Voltam ao cartaz, no Cine Belas Artes, longas-metragens que, embora premiados em festivais internacionais, foram desprezados pelo circuito comercial da capital mineira. Entre eles, está Winter sleep, que levou a Palma de Ouro em Cannes em 2014, e Era uma vez na Anatólia, ambos do diretor turco Nuri Bilge Ceylan, além de O clube, de Pablo Larraín, que ganhou o prêmio do júri do Festival de Cinema de Berlim em 2015. As telas do Cine Humberto Mauro e do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) serão ocupadas por curtas e longas-metragens brasileiros. A programação começa dia 25.

Pelo segundo ano consecutivo, foi renovada a parceria do VAC com o projeto Plateia – Rede de Formação Artística, que promoverá debates depois de apresentações de teatro e dança. O público poderá conferir oito peças – entre elas, Ignorância, do Grupo Quatroloscinco; Real, nova montagem do Espanca!; e Rosa choque, do coletivo Os Conectores, que traz oportuna discussão de gênero.

Será em forma de debate a participação de arquitetos e urbanistas no VAC. Natureza Urbana, grupo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), reunirá coletivos que lutam por moradia para todos. O objetivo é integrar pautas para a redação de uma carta-manifesto a ser apresentada na UN-Habitat, promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em Quito, Equador, em outubro.

Na música, serão 15 atrações. Destaca-se o encontro do grupo Todos os Caetanos do Mundo, de Belo Horizonte, com a A Banda Mais Bonita da Cidade, de Curitiba, no dia 16, no Sesc Palladium. No setor de moda, haverá minissalão com participação de estilistas que exporão criações mais recentes.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS