Roberto Alvim prepara adaptação para os palcos de romance de Chico Buarque

Escritor que filtra a realidade por meio da arte fará montagem de 'Leite derramado', quarto romance de Chico, publicado em 2009

por Ubiratan Brasil 01/01/2016 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
O encenador Roberto Alvim diz que vai repensar a formação do Brasil por meio do teatro (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

A realidade alimenta a inquieta imaginação do encenador Roberto Alvim. Em 2014, ao observar os debates que marcaram a eleição presidencial, ele ficou impressionado com a forma como políticos manobravam as mesmas palavras, que ora serviam para conciliar, ora para atacar. Exatamente as mesmas. Alvim logo se lembrou da retórica emocional de Brutus e Marco Antônio, da peça 'Julio César', de Shakespeare. A partir dessa manipulação de afetos, ele construiu Caesar – Como construir um império, um estimulante debate sobre o jogo das palavras.


Como a política nacional dos dias atuais mais se parece com uma caixa de Pandora – na qual, acreditavam os gregos antigos, guardavam-se todos os males do mundo –, Alvim continuou com sua sede de filtrar a realidade por meio da arte e, ao buscar uma obra literária que lhe servisse de ponto de partida para um novo trabalho, chegou ao romance 'Leite derramado', de Chico Buarque de Holanda, cuja versão pessoal pretende estrear em agosto, no Sesc Pinheiros, em São Paulo.

“A partir desse livro, pretendo pensar a formação do Brasil por meio do teatro”, explica o encenador. “Quero discutir esse ethos nacional, mas de uma forma diferente do que fizeram outros, como o realismo utilizado por Jorge de Andrade. Pretendo trabalhar o tempo (o nosso tempo) a partir do delírio do velho Eulálio.”

LABIRINTO Publicado em 2009, 'Leite derramado' reproduz o monólogo de um homem muito velho, que está no leito de um hospital – o tal Eulálio. Dirigida à filha e às enfermeiras, a fala desarticulada do ancião cria dúvidas e suspenses e é por meio desse labirinto que Alvim retrabalhou o texto original, transformando-o em um espetáculo para 20 atores, além de música executada ao vivo por 10 profissionais, liderados pelo filósofo Vladimir Safatle, também autor da melodia.

“Será uma recriação, mas mantida a essência do original”, avisa Alvim, que, com o projeto, conseguiu empolgar Chico Buarque. “Ele gostou da ideia e assimilou a reconstrução de seu texto – afinal, ser fiel é saber se colocar no mesmo lugar pulsante que impulsionou o autor do original.”

Aos 42 anos, Roberto Alvim acredita ser esse seu principal projeto criativo. “Sinto ter me preparado até agora para enfrentar essa miríade de complexidades que está no livro.” Assim, é importante contar com a parceria com Safatle, iniciada em Caesar. Mas, se nesse primeiro trabalho a música executada ao vivo impulsionava os atores a dar o próximo passo, mostrando como a história nos despossui de nossos atos, agora, em 'Leite derramado', Safatle pretende trabalhar com a ideia de plasticidade temporal e de presença espectral.

 

“Neste caso, a função da música é  construir uma dimensão de espectralidade, de liminaridade, para produzir uma espécie de rememoração delirante na qual presente, passado e futuro se contraem em uma só dimensão. Um delírio muito parecido com o que é viver no Brasil”, ressalta Roberto Alvim.

LEEKYUNG KIM/DIVULGAÇÃO
Vladimir Safatle (C) dividiu o palco com Carmo Dalla Vecchia e Caco Ciocler em 'Caesar %u2013 Como construir um império' (foto: LEEKYUNG KIM/DIVULGAÇÃO)

POLIFONIA
É importante lembrar que Safatle não compõe uma trilha sonora, ou seja, um tipo de música que se rende à mera condição de ser um sinal de orientação para um caminho externamente decidido. “Nós quisemos tirar a música de suas trilhas e dar ao teatro uma polifonia que permitiria à cena lidar com discursos recalcados e estratos subterrâneos. Pois é da natureza da música escavar o que não se deixa facilmente representar”, justifica Safatle.

Como vai lidar com um conjunto de 10 músicos tocando ao vivo, Safatle pretende fazer um curso de regência sinfônica, pois “não queria que minhas limitações técnicas fossem o verdadeiro horizonte da concepção musical”. Ele se prepara também para trabalhar com um tesouro precioso: as melodias de Chico Buarque.

“A música de Chico Buarque é um universo em si mesmo. Não faria sentido usá-la como material de base”, afirma Safatle. “Mas a música partirá de uma concepção de tempo própria a 'Leite derramado' que, a meu ver, é uma expressão maior da temporalidade histórica brasileira. Queria ser fiel a tal compreensão formal, fazendo da música um tecido de tempos em imbricação, de velocidades simultâneas. Um tecido no qual mortos e vivos convivem em uma espessura espectral.”

O universo de Chico Buarque recriado para o teatro contará ainda com uma cenografia que, segundo Alvim, será uma resposta estética ao texto. Portanto, se parecerá com uma instalação. Para isso, ele já conversa com os artistas plásticos Nuno Ramos, Cildo Meireles e Adriana Varejão, convidando-os para também pensar o Brasil de hoje. (Estadão Conteúdo)


HUMOR E MELANCOLIA

Antes de 'Leite derramado', Roberto Alvim vai dirigir 'Peer Gynt', uma das mais fascinantes peças do norueguês Henrik Ibsen (1828–1906) e que deverá estrear no primeiro semestre de 2016, no Teatro Porto Seguro. E o papel do irresponsável e aventureiro que vai prejudicando uns e outros pela vida, sem nem sequer se dar conta do que faz, será do comediante Eduardo Sterblicht, do programa 'Pânico na Band'. “Ele tem a melancolia de Buster Keaton e o humor transgressor de Andy Kaufman. Sei que dará certo”, diz Alvim.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS