#LeiaMulheres: Prometa conhecer mais escritoras no ano que vem

Para começar, janeiro traz debate sobre 'Hibisco roxo', da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie

por Bossuet Alvim 30/11/2015 17:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Vai investir em uma promessa de ano novo? Pense em firmar consigo o pacto de conhecer mais autoras no ano que vem. A versão belo-horizontina do projeto Leia mulheres pode ajudar. O grupo de leitura elegeu um livro de Chimamanda Ngozi Adichie como tema para janeiro, o que deixa bastante tempo para se inteirar da obra em questão. A reunião no Sesc Palladium vai debater o romance Hibisco roxo, primeiro da escritora nigeriana, lançado em 2003.

REUTERS/Akintunde Akinleye
Chimamanda aborda intolerância religiosa e conflitos sociais em romance épico que será tema de discussão na capital mineira; movimento incentiva leitura para combater desigualdade de gênero (foto: REUTERS/Akintunde Akinleye )
O movimento foi lançado pela autora britânica Joanna Walsh em 2014 e tem uma premissa básica: ler mais mulheres, seja em prosa ou verso, ficcionais ou não. Por aqui, grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Brasília e Fortaleza já têm seus grupos de leitura dedicados exclusivamente às autoras.

A intenção é equilibrar o contraste de gênero no mercado editorial. Uma pesquisa da Universidade de Brasília (UnB) divulgada em 2012 aponta que, no Brasil, 72,7% dos escritores com obras publicadas são homens. Por outro lado, foram de mulheres os principais prêmios em literatura do ano — Jabuti, ABL, Biblioteca Nacional e Sesc destacaram escritoras nas categorias mais importantes.

 

#LeiaMulheres BH

Debate sobre o livro Hibisco roxo, de Chimamanda Ngozi Adichie, em 13 de janeiro, às 19h30 no Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1046 - Centro). Entrada franca. Mais informações pelo grupo #LeiaMulheres ou na página do evento no Facebook.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS