Jovino Machado lança obra que reúne 20 anos de produção

Livro do poeta mineiro contou com artes de Daniel Bilac e Valquíria Rabelo

por André Di Bernardi Batista Mendes 25/11/2015 17:03

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Elias Henrique/divulgação
Sobras completas, de Jovino Machado traz 10 títulos lançados de 1993 a 2013 (foto: Elias Henrique/divulgação)
O poeta Jovino Machado lança Sobras completas, que reúne 20 anos de sua produção. Com projeto gráfico de encher os olhos desenvolvido pelo artista visual Daniel Bilac e pela designer Valquíria Rabelo, o volume traz 10 títulos lançados de 1993 a 2013, além de seleção de poemas inéditos em livro. A noite de autógrafos será hoje, a partir das 19h, no Café 104 (Praça Rui Barbosa, 104, Centro).

Na poesia de Jovino, a síntese chama a atenção. Cada poema reflete a intensidade de um arco-íris bruto, cada poema é quase um relâmpago. Também chama a atenção uma alegria que não deixa de iluminar cada pequena pérola. O autor propõe, indica modos e jeitos para leituras. Segundo ele, seus quase haikais devem ser lidos, de preferência, ouvindo Brahms. “A vida não presta/ quando eu adoro/ e você detesta”; “a vida não presta/ quando eu subo Bahia/ e você desce Floresta” – registra.

As coisas ditas pequenas também guardam grandes mistérios. Essas mesmas coisas pequenas, é bom que se note, não chegam, não se mostram carregadas de peso. Antes, tais asas fornecem um arsenal de levezas, pois do contrário não seria poesia, mas, apenas e tão somente, existência.

Jovino, com ou sem espadas, desarmado de amores, saiu por aí pela vida, percebendo breus e broncas, conturbado de levezas: “Eu colhendo cataventos/ costurando girassóis/ frequentando necrotérios /gargalhando em cemitérios/ estourando conspirações/ adulterando constelações/ fotografando assobios/protagonizando cataclismos”.

O mineiro é daqueles poetas que escrevem com cuidado e rigor, muito embora os textos pareçam simples numa primeira leitura. Trazem a alegria indispensável, que faz com que cada poema tenha o estatuto de um arroio, que só faz crescer em direção a sabe-se lá o quê. Assim, Jovino dialoga, aceita afetos e desafetos e sabe da importância dos pequenos e dos grandes acontecimentos.

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS