'Paris é uma festa', de Hemingway, retoma popularidade após atentados

Obra ganhou novo sopro de popularidade desde os atentados da última sexta-feira

por AFP 19/11/2015 10:07

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Look Magazine/Divulgação 1954
'Paris é uma festa' era, nesta quarta-feira, o mais vendido da seção de biografias do site Amazon (foto: Look Magazine/Divulgação 1954)
O romance Paris é uma festa, memórias alegres e ternas do escritor norte-americano Ernest Hemingway relatando sua temporada na capital francesa nos anos 1920, ganhou novo sopro de popularidade desde os atentados da última sexta-feira.

 

O livro do autor de Por quem os sinos dobram está voando das prateleiras das livrarias parisienses. Exemplares foram colocados entre flores e velas diante da fachada atingida por balas de um dos bares atingidos pelos terroristas. O livro também é encontrado diante da casa de shows Bataclan, centro da chacina que deixou 129 mortos e 352 feridos. Durante o minuto de silêncio em homenagem às vítimas na última segunda-feira, inúmeras pessoas seguravam um exemplar nas mãos.

 

Paris é uma festa era, nesta quarta-feira, o mais vendido da seção de biografias do site Amazon. A obra está atualmente em falta no estoque da gigante americana da distribuição online. Em geral, os livreiros vendem 10 exemplares da obra de Hemingway por dia. "Neste momento, são 500", contou David Ducreux, assessor de imprensa da editora Folio, que publica o romance. Enquanto 8.000 exemplares de "Paris é uma festa" são vendidos em média anualmente, a editora previu um reimpressão de 15.000 exemplares do livro. Esse entusiasmo lembra o que foi gerado em torno do Tratado da tolerância de Voltaire, em janeiro, após o ataque contra a revista Charlie Hebdo. A editora teve que fazer uma reedição do livro do filósofo depois de vender 120.000 cópias.

 

Paris é uma festa pode ser descrito como uma homenagem a uma cidade, aquela dos anos 1920, vibrante de cultura. É possível cruzar com artistas que frequentavam à época o bairro de Montparnasse, além de encontrarmos com a colecionadora Gertrude Stein, o poeta Ezra Pound, o escritor James Joyce. "Essa era a Paris da nossa juventude, onde éramos muito pobres e muito felizes", escreve Hemingway.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS