Dupla adapta bicicleta para projetar curtas em espaços urbanos

Ceci Soloaga e Ygor Marotta já circularam por Ouro Preto e pretendem ir à China

por Carolina Braga 16/11/2015 10:41

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

VJ Suave/Divulgação
A dupla com suas bicicletas adaptadas (foto: VJ Suave/Divulgação)
O dinheiro erapouco para um carro, mas suficiente para uma bicicleta. Foi com esse senso prático que nasceu o Suaveciclo, o veículo inventado pela dupla de artistas radicada em São Paulo Ygor Marotta e Ceci Soloaga para materializar seu projeto audiovisual. O duo de grafite digital assumiu o nome de VJ Suave. Mas como Marotta diz, chamam de grafite para simplificar.

 

Montados em bicicletas que mais se parecem triciclos ao contrário, eles carregam projetores, caixa de som e computadores ligados a uma bateria usada em lanchas. Nas paredes das cidades por onde passam exibem curtas metragens com animações criadas a partir de desenhos feitos amão por Marotta. É exemplo de arte urbana mais que contemporânea, que desperta a atenção em diversas partes do mundo.

 

O duo já esteve na Rússia, em Portugal e na Alemanha. Em dezembro (entre os dias 10 e 20), o casal estará na China com os Suaveciclos. Depois, irão para a tradicional festa dos Reis Magos, na Espanha, em 6 de janeiro. A previsão é de uma agenda ainda mais agitada em 2016. Agora, enquanto ele participa do Festival Concreto, evento internacional de arte urbana em Fortaleza, ela representa a dupla em Buenos Aires. No mês passado, os Suaveciclos passearam pelos paralelepípedos históricos de Ouro Preto.

 

Tudo começou em 2009, quando Marotta resolveu espalhar por onde fosse possível a mensagem “Mais amor por favor”, em forma de cartazes/instalações. Primeiro, as peças “surgiram” nas paredes de São Paulo. Na sequência, espalharam-se pelo Rio, Porto Alegre, Montevidéu, Berlim e outros lugares. Como ele é designer e Ceci é da área de vídeo, resolveram ampliar a ideia.

 

“Era uma vontade de criar algo nosso, autoral, e que também fosse fruto do nosso amor. Resolvemos fazer isso para ter mais tempo juntos”, conta Marotta. No começo, eram VJs em ambientes de balada, fazendo projeções para acompanhar o som do DJ. Em 2011, a convite da MTV, o duo criou os curtas-metragens Run e Homeless e, apartir daí, o projeto tomou um rumo próprio.

VJ Suave/Divulgação
Projeção de curta ao ar livre (foto: VJ Suave/Divulgação)

 

INDEPENDÊNCIA

Foi quando tiveram a certeza de que a arte deles não era para qualquer lugar, embora também trabalhem com instalações em espaços fechados. O espaço do VJ Suave era a rua. E mais: em movimento. “Na rua, somos livres para comunicar o que queremos. Acho que hoje a arte precisa estar acessível a todo mundo. Somos independentes. Não dependemos de curadores, de galerias, de museus ou de alguém que nos convide. Nossa vontade é mostrar nosso trabalho sem depender de ninguém”, diz.

 

Como o carro com o qual realizaram suas primeiras projeções pertencia à MTV, começaram a procurar outras alternativas. Entraram em contato com o coletivo internacional Graffiti Research Lab, dedicado à pesquisa de grafite e arte urbana, e trocaram experiências.

 

Houve aquele momento em que foi preciso pedir energia emprestada ao vizinho para fazer as projeções .Hoje não precisa mais. A bateria do Suaveciclo é do mesmo tipo que se usa em carrinhos de golfe e tem uma vida útil mais longa. A bicicleta foi construída pela dupla, a partir de modelos encontrados nos Estados Unidos. “A reaçãodas pessoas é muito linda, porque o momento é lúdico, colorido e de energia positiva”, diz o artista.

 

Hoje já são quatro curtas que se revezam nas projeções. La cena (2012) e Trip (2013) se juntaram aos anteriores Run e Homeless. Os filmes têm duração entre 50 segundos e três minutos. Como é um processo de produção quase artesanal, para cada segundo de animação são cerca de 12 desenhos. No começo, Marotta e Ceci trabalhavam sozinhos. À medida que o projeto foi crescendo, passaram a contar com equipes específicas acada filme.

 

Por mais que o projeto tenha crescido e se internacionalizado, Ygor Marotta acredita que se mantém fiel à primeira ideia – a dos cartazes espalhando mensagens de amor por São Paulo. “De alguma forma é o que também estamos pedindo nas ruas,apartir da projeção e da animação. Conseguimos contar pequenas histórias que demonstram respeito, carinho. Queremos comunicar o amoratravés da arte”, afirma.

VJ Suave/Divulgação
Ceci Soloaga e Ygor Marotta vão à China em dezembro (foto: VJ Suave/Divulgação)



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS