Vencedora do Nobel da Paz, Malala diz que o seu livro preferido é 'O alquimista', de Paulo Coelho

História da ativista que levou três tiros disparados pelo Talibã aos 13 anos é contada em cinebiografia com lançamento na quinta-feira

por Luiza Maia 16/11/2015 10:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Twentieth Century Fox/Divulgação
Malala Yousafzai ficou conhecida a partir de um blog sobre o Paquistão (foto: Twentieth Century Fox/Divulgação)
Em meio a declarações emocionantes, uma curiosidade para os brasileiros é revelada na cinebiografia Malala, do cineasta Davis Guggenheim (Uma verdade inconveniente), cuja estreia será na próxima quinta-feira. O livro O alquimista, do escritor brasileiro Paulo Coelho, é o preferido da jovem paquistanesa vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 2014. Publicado originalmente em 1988, o romance já foi traduzido para mais de 60 línguas e é a obra nacional mais vendida de todos os tempos.

Questionada sobre a obra favorita - e pouco após elogiar a biografia de Stephen Hawking -, a garota de 18 anos, um dos principais ícones contemporâneos pelos direitos das mulheres, responde, sem justificar: "O alquimista, de Paulo Coelho". Ela já havia falado sobre o interesse pelo romance em entrevistas e na biografia Eu sou Malala (Companhia das Letras, R$ 34,90), escrita em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, na qual o longa-metragem é baseado.

"Alguém me deu um exemplar de O alquimista, de Paulo Coelho, uma fábula sobre um jovem pastor que viaja às pirâmides do Egito em busca de um tesouro - que o tempo todo estivera em sua casa. Adorei o livro, e o li várias vezes. 'Quando você quer alguma coisa, todo o Universo conspira para a realização de seu desejo', escreve o autor. Penso que ele nem conhece o Talibã, nem nossos ineficazes políticos”, conta, no livro.

Malala Yousafzai ficou conhecida a partir de um blog escrito para a rede BBC, no qual narrava a situação do Vale de Swat, no Paquistão, durante a ocupação talibã, especialmente as dificuldades enfrentadas pelas mulheres e a luta dela para ter o direito de frequentar a escola, temas bastante delicados na região.  

Inicialmente protegida sob um pseudônimo, ela acabou por assumir a identidade e concedeu várias entrevistas. A história da ativista pelos direitos femininos chocou o mundo em 2012, quando foi atingida por três tiros disparados por um membro do Talibã, um deles na cabeça. 

Ameaçada de morte, Malala se mudou para Birmingham, na Inglaterra, onde foi tratada e continua a luta pelos direitos das mulheres. Malala já ganhou diversos prêmios e foi homenageada por instituições, ativistas, governos e artistas de vários lugares do mundo.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS