Leilão promovido pelo EM vende 58 peças para ajudar abrigos e creches

Na noite de terça-feira, 10 de novembro, R$ 96,9 mil foram arrecadados com a venda de peças de arte

por Shirley Pacelli 12/11/2015 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Vieira/EM
19ª edição do Leilão de Arte da Jornada Solidária Estado de Minas, no Museu de Arte Inimá de Paula, reuniu amantes de arte em causa solidária (foto: Marcos Vieira/EM)
Teve quem levou mais de uma peça para casa. Outro disputou um quadro, lance a lance. O jovem apreciador de arte, de apenas 14 anos, encarou o pregão para arrematar seu objeto de desejo. Terça-feira, 10, à noite, 58 peças foram arrematadas no 14º Leilão de Arte da Jornada Solidária, promovido pelo Estado de Minas, no Museu Inimá de Paula. Onze creches e um abrigo infantil receberão os R$ 96,9 mil obtidos no evento.

Em disputa acirrada, com direito a 33 lances, a pintura da série Flores para Guignard, de Fernando Lucchesi, foi o arremate mais caro da noite – R$ 9,1 mil. A empresária Marta Maria de Castro Batista Ramos, que levou o trabalho para casa, contou por que não desistiu dele: “Sou grande admiradora do trabalho de Lucchesi e gostei do motivo do quadro, homenageando Guignard”. Ela arrematou também uma obra de Cristina Barrancos e a escultura Onde nasce a pedra, de Ney Araújo.

Os médicos Luiz Eduardo Grisolia de Oliveira e Edna Barbabela viajaram 170 quilômetros de Barbacena a BH só para participar do leilão. O casal comprou seis obras, chamando a atenção até mesmo do leiloeiro. Eles levaram para casa Fragmentos da cidade, de Valdelice Neves; Empinando pipa, de Ricardo Ferrari; Campos de margaridas silvestres, de Mauro Silper; Olhar distante, de Tony Lima; e uma tela de Fernando Veloso. A última, Velho bule com conchas e flores, de Yara Tupynambá, exigiu 15 lances. “Conseguimos 80% do que queríamos. Gostamos de arte e ficamos felizes de ajudar a Jornada”, explicou Luiz Eduardo.

A paixão por animais fez com que Bernardo Dias, de 14 anos, adquirisse o painel de André Burian que retrata dois cachorros no Aglomerado da Serra, em BH.

“Antes do leilão, promovemos um ciclo de seminários sobre arte. O evento contribuiu para atrair o público, mesmo nesta época de crise. Ele deu impulso ao evento”, afirmou Nazareth Teixeira da Costa, presidente da Jornada Solidária, explicando que os recursos serão investidos na infraestrutura das entidades sociais assistidas pela campanha do Estado de Minas. O dinheiro permitirá reformar banheiros e refeitórios.

Álvaro Teixeira da Costa, diretor-presidente do Diários Associados, destacou o empenho dos galeristas em selecionar as obras para o pregão. “Tivemos um leilão de altíssimo nível, com excelente resultado. Agradeço a todos que colaboraram”, disse.

A galerista Beatriz Abi-Acl, que participou de todas as edições do leilão, afirmou que a edição deste ano foi muito significativa. “Um apreciador de arte adquiriu mais de uma obra. Isso demonstra a qualidade dos trabalhos expostos aqui”, afirmou. Beatriz diz que a Jornada oferece oportunidade ao galerista de divulgar o que o público, às vezes, desconhece. “Há diversas linguagens”, resumiu.

A obra Balão solidário, criada pelo artista plástico carioca Deneir especialmente para a Jornada, foi arrematada pelo arquiteto Fernando Hermanny. “É realmente maravilhosa”, descreveu o leiloeiro Cristiano Gomes Ferreira, da Galeria Firenze, ao anunciar a peça, feita com minúsculos recortes de alumínio reciclado.

A Jornada Solidária decidiu vender as 30 peças que não foram arrematadas na terça-feira. Elas ficarão expostas no Espaço Cultural do Estado de Minas (Avenida Getúlio Vargas, 291, Funcionários), de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS