Quarto encontro da série Arte É Preciso coloca em questão como discernir uma obra de arte

Ciclo de seminários será realizado quinta (22). A verificação artística é o tema principal do debate.

por Mariana Peixoto 21/10/2015 16:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
QUINHO
Quarta edição do seminário Arte é preciso discutirá a validação nas artes plásticas (foto: QUINHO)
A quarta edição do ciclo de seminários Arte É Preciso, realizado pelo Estado de Minas, ocorre amanhã, às 19h30, no Espaço Cultural do jornal. Os convidados são Tadeu Bandeira, diretor do Centro de Arte Popular Cemig, o designer Gustavo Greco, a historiadora Letícia Julião e a arquiteta e decoradora Patrícia Hermanny. A mediação ficará a cargo do artista plástico Marco Túlio Resende.


O tema desta semana é “Como discernir uma obra de arte – A questão da verificação no universo artístico”. A entrada é franca, mediante prévia inscrição. Haverá também transmissão simultânea pelo Portal UAI. Nos três encontros anteriores, artistas, curadores, designers e historiadores discutiram outros aspectos relacionados à produção e ao consumo de arte no Brasil, especialmente em Minas Gerais.

“A obra de arte tem que passar emoção para o espectador. Se isso não ocorre, ela não é arte, é uma obra fraca, sem conteúdo”, comenta Tadeu Bandeira, ponderando que a questão é subjetiva. “Isso vai depender do espectador. Então, há duas questões aqui: a obra transmitindo emoção e o espectador tendo sentimento para isso. Se ele não tiver, não vai conseguir discernir.”

Já a historiadora Letícia Julião pretende focar na questão dentro do universo museológico. “Minha intenção não é falar sobre a obra de arte, mas a obra musealizada. Hoje, os museus de arte têm suas especificidades. São equipamentos cada vez mais atraentes para o público e têm um papel na formação.”

Marcos Vieira E.M/D.A.Press
Seminário promovido pelo Estado de Minas precede leilão de obras de arte em benefício da Jornada Solidária (foto: Marcos Vieira E.M/D.A.Press)
GALERIAS
Para Patrícia Hermanny, a procedência de uma obra é muito relevante na hora de adquirir um objeto. “É importante confiar nas pessoas certas, nas boas galerias. Além disso, para entender de arte você tem que frequentar museus e exposições.”

Gustavo Greco vai chamar a atenção para as mudanças que o design vem sofrendo nos últimos anos. “A criatividade, como matéria-prima, é um recurso inesgotável e finalmente está sendo vista como de grande relevância para o desenvolvimento da economia. O design vem, assim, galgando degraus para sair de um lugar de relevância puramente estética e passar a ter um caráter estratégico.”

Por fim, o mediador Marco Túlio Resende lembra que, em tempos de crise, a arte tem que ser reavaliada. “A humanidade está encurralada não só no ponto de vista artístico, mas também na economia e na política. Vamos ter que procurar novos caminhos, não podemos continuar no percurso da banalização. Esse é um desafio aberto para a arte, a religião e a ciência.”

Os seminários Arte É Preciso precedem o leilão de obras de arte em benefício da Jornada Solidária, ação de responsabilidade social do Estado de Minas voltada a creches da capital mineira. O leilão está marcado para 10 de novembro.

ARTE É PRECISO
Amanhã, às 19h30, no Espaço Cultural do Estado de Minas, Avenida Getúlio Vargas, 291, Funcionários. Entrada franca mediante apresentação de convites. O credenciamento pode ser feito pelo e-mail jornada@uai.com.br. Vagas limitadas. Informações: (31) 3263-5700, das 9h30 às 12h e das 14h30 às 18h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS