Maria Cutia relembra as radionovelas em sua nova montagem, 'Ópera de sabão'

Grupo se apresenta na praça Duque de Caxias, no Santa Tereza

por Estado de Minas 09/10/2015 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Tati Motta/divulgação
Atores cantam como antigamente em 'Ópera de sabão' (foto: Tati Motta/divulgação)
Até segunda-feira, o Grupo Maria Cutia vai levar circo e teatro para Santa Tereza. A peça 'Ópera de sabão' se inspira nas radionovelas. Sucesso nos anos 1940 e 1950, elas foram fundamentais para a consolidação da linguagem radiofônica. O novo espetáculo da companhia mineira traz uma rádio em decadência para a praça, apresentando a última novela com a esperança de não sucumbir à chegada da televisão.

A atriz Mariana Arruda conta que a ideia surgiu em viagens do grupo pelo interior de Minas Gerais. “O público, ao ver o cenário montado na rua, veio nos aconselhar, dizendo que era preciso explicar ao povo o que é teatro, pois ninguém por ali havia visto uma peça. Curiosos, perguntamos: ‘Mas o que é teatro?’ E eles  responderam: ‘Uai, teatro é novela ao vivo’”, conta Mariana.

Dirigido por Eduardo Moreira, ator do Grupo Galpão, o espetáculo mistura paródia cômica e melodrama, elemento típico da dramaturgia adotada no rádio e na TV. O convite a Eduardo veio resgatar uma parceria de sucesso, pois foi ele o diretor do último espetáculo da trupe, Como a gente gosta. “Eduardo é um artista que pensa em como fazer e no que pode fazer o teatro. Como é um grande estudioso do melodrama, não poderíamos escolher outro diretor”, explica o ator Leonardo Rocha.

IRMANDADE Eduardo Moreira diz que esse trabalho é uma oportunidade de valorizar o teatro de rua. “Temos uma irmandade artística. Somos feitos do mesmo barro: o ofício do teatro popular e mambembe, com foco na rua. O novo espetáculo dá continuidade à pesquisa iniciada em Como a gente gosta e representa uma evolução”, afirma ele.

Presença marcante nas montagens do Grupo Maria Cutia, a música autoral é parte fundamental de Ópera de sabão. Jingles, vinhetas e canções, criados especialmente para a peça, são executados ao vivo pelos atores. Algumas composições surgiram da própria trupe, enquanto outras vieram da parceria com Fernando Muzzi, que assina a direção musical e arranjos de Ópera do sabão.

Os atores estudaram arranjos mais complexos e se arriscaram na execução de novos instrumentos, como viola, violoncelo e trombone. As aulas de canto ficaram a cargo da preparadora vocal  Babaya.

ÓPERA DE SABÃO
Com Grupo Maria Cutia. Praça Duque de Caxias, Santa Tereza. De hoje a segunda-feira, às 20h. Entrada franca. O grupo vai se apresentar também em Ibirité (dia 15), Sete Lagoas (dia 16), Sarzedo (dia 17) e Betim (dia 18).

“Somos feitos do mesmo barro: o ofício do teatro popular e mambembe” -  Eduardo Moreira, diretor

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS