Elizabeth Savala apresenta espetáculo no Cine Theatro Brasil

'A.M.A.D.A.S - Associação de mulheres que acordam despencadas' está em cartaz neste fim de semana, na Mostra Cine Brasil Teatro e Música

por Carolina Braga 09/10/2015 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Árvore/divulgação
(foto: Árvore/divulgação)
“Isto aqui vai dar samba”. Essa foi a primeira impressão da atriz Elizabeth Savala ao tomar conhecimento do texto de A.M.A.D.A.S – Associação de mulheres que acordam despencadas, de Regiana Antonini. A montagem ficará em cartaz na Mostra Cine Brasil Teatro e Música, amanhã e domingo, em BH.


O monólogo aborda o obsessivo culto à beleza. É a história de Regina Antônia, mulher de meia-idade que participa de um grupo de terapia para aprender a lidar com o inevitável: o envelhecimento.

“Algumas pessoas viram caricatura de si mesmas, com plásticas, botox e procedimentos estéticos. Em contraponto, há aquelas que resolvem envelhecer com dignidade e saúde, percebendo que cada etapa da vida tem o seu momento e a sua cara”, afirma a atriz.

Com 41 anos de carreira, Elizabeth fez diversos personagens, entre mulheres fortes, dramáticas e fúteis, quase sempre cômicas. Segundo ela, A.M.A.D.A.S é atração para quem gosta de cair na gargalhada. “Quem não quiser rir  não deve ir ao teatro. Não fazemos um tratado antropológico a respeito da velhice, apenas usamos o bom humor para falar sobre a condição do homem e da mulher que vão envelhecendo”, explica.

Toda a ação se resume a um dia de reunião do grupo, como se fosse um encontro dos Alcoólicos Anônimos. “Vivo vários personagens: o marido, amigas e até a sogra nordestina. São seis personagens vividos por mim. A interpretação dialoga com o trabalho técnico de iluminação e som, mas é unica e exclusivamente baseada no trabalho de atriz”, observa. Savala diz que a peça não chega a ser stand-up comedy, mas se aproxima desse gênero teatral.

A.M.A.D.A.S traz uma visão “completamente otimista” do futuro, adianta. Antes de tudo, prega o respeito. “Na verdade, a peça não é tão ligada à velhice, mas à meia-idade, quando você descobre que não é mais jovem e se questiona: o que fazer, qual caminho seguir? O caminho do botox ou ser uma pessoa leve, despachada? É uma questão de escolha”, pondera.

Pessoalmente, a atriz confessa sentir que tudo isso é uma grande bobagem. “O tempo passa para todo mundo. Depende apenas de você encarar com maturidade o fato de não sermos eternamente jovens”, conclui.


A.M.A.D.A.S
Sábado, às 21h, e domingo, às 19h. Cine Theatro Brasil Vallourec, Praça Sete, Centro, (31) 3201-5211. R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS