Wilma Henriques, a primeira-dama do teatro de MG, muda-se para casa de repouso em Belo Horizonte e dá adeus ao palco

Depois de uma queda, a atriz, de 84 anos, decide deixar seu antigo apartamento no Bairro Floresta e vai morar na Casa Lar Viver Melhor. "Não preciso de cuidados médicos, preciso é de povo", afirma ela.

01/10/2015 11:42

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jorge Gontijo/EM/D.A Press, 17/02/2011
Wilma Henriques contou com o apoio do Sated/MG nesta nova etapa de sua vida (foto: Jorge Gontijo/EM/D.A Press, 17/02/2011)
A primeira-dama do teatro de Minas Gerais, Wilma Henriques, está saindo de cena. Do alto de seus 84 anos e quase seis décadas de dedicação aos palcos, Wilma se mudou nesta quinta-feira de seu apartamento, no Bairro Floresta, para uma casa de repouso no Bairro Planalto.

Este ano, Wilma sofreu uma queda em casa, fraturando o fêmur esquerdo. A atriz passou por cirurgia para se recuperar da lesão, mas enfrentou dificuldades na fase de recuperação. Valente e segura de si, Wilma esclarece: "Não estou me mudando por motivos médicos. Na verdade, sinto falta de povo, de convivência". Apressada e em meio aos afazeres da mudança, a atriz conversou com o Estado de Minas minutos antes de se transferir para a Casa Lar Viver Melhor. Solteira, a artista não tem filhos. Vivia sozinha no apartamento da Floresta.
 
Wilma explicou que não pretende voltar aos palcos, mas não abandonou o ofício. "Quero levar alegria para lá", afirmou, referindo-se à Casa Lar Viver Melhor.
 
A carreira artística de Wilma Henriques começou em 1959, quando ela apresentou o programa Espelho, direcionado para o público feminino, na TV Itacolomi. Logo foi convidada para fazer peças de teatro. A estreia como profissional se deu em O macaco da vizinha, peça dirigida por Carlos Laerte.

Wilma ganhou prêmios de melhor atriz de Minas Gerais em 1961, 1962, 1964, 1969, 1973, 1975, 1976 e 1994. Trabalhou com os diretores Eid Ribeiro, Haydee Bitencourt e Paulo César Bicalho, entre outros. Há vagas para moças de fino trato, Fala baixo senão eu grito, A prostituta respeitosa, Rasga coração, Navalha na carne e Ciranda de pedra são algumas das peças que a projetaram.
 
Ricardo S.G. / Divulgacao
Wilma Henriques na peça 'A dama desnuda', em 2012 (foto: Ricardo S.G. / Divulgacao )
 
 
Em 2012, ela protagonizou A dama desnuda, peça escrita por Renato Millani e dirigida por Carluty Ferreira, sobre sua própria trajetória. Patrícia Thomaz, no papel de uma fã, contracenou com ela. No cinema, Wilma atuou em O menino e o vento, filme de Carlos Hugo Christensen; Aleijadinho, paixão, glória e suplício, de Geraldo Santos Pereira; e Vinho de rosas, de Elza Cataldo.

DESPESAS
 
A decisão de se mudar para a casa de repouso foi tomada pela própria Wilma. A atriz enfrentava problemas para manter as despesas domésticas. Um convênio viabilizou sua transferência para a Casa Lar Viver Melhor. O acerto foi fechado com a mediação do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões de Minas Gerais (Sated/MG) e vai reduzir o valor da mensalidade. Em troca, o Sated planeja intervenções no Lar, como oficinas teatrais, visitas e apresentações. "Foi lindo ver a união dos artistas", conta Magdalena Rodrigues, presidente do sindicato. Foi a partir de um relato postado por Magdalena na internet que artistas mineiros tomaram conhecimento da situação de Wilma e se mobilizaram.
 
Daqui para a frente, a ideia do sindicato é lutar para assegurar condições dignas para artistas idosos. O Sated pretende criar um fundo de amparo para atores e técnicos por meio de doações. Além disso, quer instalar em Belo Horizonte uma Casa dos Artistas, a exemplo da instituição que funciona no Rio de Janeiro. "Estamos tentando fazer da Casa Lar Viver Melhor a Casa dos Artistas de Belo Horizonte. Se não for possível lá, precisaremos construir uma", diz Magdalena.

Com tristeza por deixar o apartamento onde morou por décadas, mas também com esperança, Wilma Henriques reafirmou sua fé em Deus e manifestou preocupação com a situação dos idosos brasileiros. "De Deus espero sempre o melhor", concluiu. O acervo da atriz ficará sob responsabilidade do Sated.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS