Artes Vertentes inicia a sua quarta edição em Tiradentes

Com a proposta de unir diversas manifestações artísticas numa única mostra, o Festival Internacional de Artes de Tiradentes começa no próximo dia 10

05/09/2015 11:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Serguei Maksimishin/divulgação
Imagem do russo Serguei Maksimishin que integra a exposição O último império, a ser apresentada no Sobrado Quatro Cantos (foto: Serguei Maksimishin/divulgação)

“É festa das artes”, diz Luiz Gustavo Carvalho, de 33 anos, pianista, criador e diretor do Artes Vertentes – Festival Internacional de Artes de Tiradentes. Ele se refere à quarta edição do evento, que começa na próxima quinta e vai até o dia 20 de setembro, promovendo concertos, exposições, apresentação de peças de teatro, filmes e saraus literários. O festival conta com promoção cultural do Estado de Minas.

O tema deste ano é “Crime e castigo”, proposta de mostrar a arte que investiga as noções de ética e moral na sociedade atual. “Um festival tem o papel de abrir horizontes artísticos, intelectuais e culturais, contribuindo para formar legado humano”, argumenta o diretor.

Embora a ênfase do festival seja a produção contemporânea, há uma busca de diálogo com o patrimônio barroco, segundo Carvalho. Ele cita como exemplo a ação que une o compositor Sérgio Rodrigo e o DJ Paulo Beto, ambos mineiros, na criação de trilhas para filmes dos anos 1920. Ou a escultura Quimera, dos franceses François Andes e Pascal Marquilly. E ainda o espetáculo espanhol O amor é um cão que vem do inferno. São produções marcadas pelo uso de diversas linguagens. “Como pianista, muitas vezes senti que me enriquecia mais ao ler um poema do que ficando um dia sentado ao piano”, diz, valorizando o contato com diversas expressões artísticas.

A ideia do Artes Vertentes nasceu, segundo seu criador, a partir de sua participação como pianista em festivais, especialmente europeus, o que lhe trouxe a sensação de carência, no Brasil, de uma mostra que reunisse todas as artes com alta qualidade. Ele observa que aqui existem ótimos festivais, mas setorizados. Mineiro, frequentador de Tiradentes desde 1980, Carvalho optou por criar o festival “numa cidade que tem atmosfera especial”. Ele tem incentivado a produção de espetáculos especialmente para o evento. “Esse deveria ser, na minha opinião, o papel de todo festival”, diz.

Apesar de seu caráter multidisciplinar, o Artes Vertentes tem forte presença da música erudita. “Ela tem lugar especial em tudo que faço. Não consigo viver sem música”, diz o diretor. Este ano, haverá duas produções especiais de compositores que são fundadores da modernidade artística: Pierrot Lunaire, de Arnold Shoenberg (1874-1951) e História de um soldado, do russo Igor Stravinsky (1882-1971). A última, sobre militar que vende a alma ao diabo, ganha montagem cênica, com interpretação e coreografia da bailarina Jacqueline Gimenez (no dia 13 de setembro, às 18h, no Centro Cultural Yves Alves).

“Busquei a dramatização dos personagens e mostrar as nuances da situação vivida pelo soldado”, afirma Jacqueline, que faz todos os tipos que estão no palco com apoio do ator Alvise Camozzi, que atua também como narrador. “É uma experiência nova”, conta. A bailarina participa do Artes Vertentes pela segunda vez. “O astral do festival é de aconchego, bem mineiro, com as pessoas muito à vontade”, avalia.

Artes Vertentes – Festival Internacional de Artes de Tiradentes
Concertos, exposições, teatro, saraus literários e cinema. De quinta (dia 10/9) até 20/9. Informações: www.artesvertentes.com e facebook.com/festivalartesvertentes.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS