Musical 'Sim! Eu aceito' está em cartaz em Belo Horizonte

Estrelado por Diogo Vilela e Sylvia Massari, espetáculo fala sobre a vida em casal

por Ailton Magioli 31/07/2015 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Miguel Sá/Divulgação
Sylvia Massara e Diogo Vilela interpretam Agnes e Michael (foto: Miguel Sá/Divulgação)
Parceiros em Cauby!, Cauby! e A gaiola das loucas, Diogo Vilela e Sylvia Massari voltam a contracenar em Sim! Eu aceito! – O musical do casamento, em cartaz de hoje a domingo, no Teatro Sesiminas. Sob direção e coreografias de Claudio Figueira, os atores interpretam Michael e Agnes, que, a exemplo da maioria dos casais, enfrenta uma série de problemas em 50 anos de união.


Sucesso da Broadway nos anos 1960, a peça, que se passa na década de 1950, foi adaptada pelo teatrólogo carioca Flávio Marinho. Ele admite ter sentido dificuldade diante da forte integração dos números musicais com os diálogos. “Quando isso ocorre, o versionista fica em palpos de aranha. Não pode voar muito”, diz Flávio, lembrando que as canções contam histórias e o português não tem a mesma capacidade de síntese do inglês.

Quem viaja para assistir a musicais na Broadway, no entanto, já não precisa mais sair do Brasil. “Pode-se vê-los aqui com o mesmo cuidado e carinho com que são feitos nos Estados Unidos”, afirma a atriz Sylvia Massari, dizendo que sua afinidade com Diogo facilita a encenação. Jan de Hartog é o autor do texto original.

O casamento de Michael e Agnes é revivido em todas as suas etapas – das núpcias à saída dos dois, já idosos, da casa onde sempre moraram. Nascimento dos filhos, crises, desgastes, ajustes e o inevitável envelhecimento se dão em torno de uma cama – móvel símbolo a partir do qual se impulsionam as emoções e se discute a relação.

LEGADO Para Diogo Vilela, o espetáculo tem uma característica muito americana, marcada pelo legado da Broadway, com bailarinos e muita gente em cena. “Como os Estados Unidos são progressistas, os autores compraram a ideia e fizeram um musical para dois atores”, justifica o ator, que aceitou participar da montagem por achar a história interessante.

Em janeiro, Diogo deve voltar à cena com Cauby! Cauby!. “Pela primeira vez, vou repetir um espetáculo”, afirma, orgulhoso, depois de constatar, na temporada de estreia, que Cauby Peixoto é uma figura emblemática da cultura brasileira. “Não apenas por estar vivo, mas por continuar, aos 80 anos, cantando e emocionando as pessoas.”

Com cerca de três décadas de experiência em teatro, Flavio Marinho lembra que em musicais como Noviças rebeldes, também adaptado por ele, pôde trabalhar números musicais com mais irreverência, como se fosse um show. “Em Sim! Eu aceito! não dá pra viajar na maionese”, reconhece, observando que nesses casos é preciso ser o mais fiel possível ao original.

ANOS 60
Considerado o mais famoso musical com dois atores da Broadway, Sim! Eu aceito! retrata, segundo o diretor Claudio Figueira, um casal tradicional. “É tudo pré-feminismo: a mulher do lar, a sociedade ainda bem patriarcal, quando a esposa cuidava do marido e dos filhos. O espetáculo mostra uma forma de casamento e de comportamento que mudou muito na década de 1960”, recorda ele.

A montagem, que estreou no Rio de Janeiro no ano passado, tem texto e letras de Tom Jones, músicas de Harvey Schmidt e cenografia e figurinos de Clívia Cohen. Figurinos da noiva e o vestido de noite foram criados por Carol Hungria. A caracterização ficou a cargo de Servio Azevedo e a iluminação de Marco Cardi.

SIM! EU ACEITO! – O MUSICAL DO CASAMENTO

Teatro Sesiminas, Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia. Sexta e sábado, às 21h; domingo, às 19h. Setor 1: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia). Setor 2: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia). Classificação: 10 anos. Informações: (31) 3241-7161.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS