Festival Literário Internacional de Belo Horizonte descarta a badalação

FLI-BH será realizado de 25 a 28 deste mês. O Parque Municipal, no Centro, será o palco principal, mas haverá atividades também no Teatro Francisco Nunes e no Palácio das Artes

por Ailton Magioli 12/06/2015 10:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
TV Brasil/divulgação
(foto: TV Brasil/divulgação )
“Não é um festival de nomes. Trata-se de um festival de temas, de assuntos”, avisa Afonso Borges, curador do Festival Literário Internacional de Belo Horizonte (FLI-BH) ao lado de Leida Reis e Beatriz Hernanz. De antemão, ele descarta o formato midiático que infesta eventos do gênero realizados no país.

O FLI-BH será realizado de 25 a 28 deste mês. O Parque Municipal, no Centro, será o palco principal, mas haverá atividades também no Teatro Francisco Nunes e no Palácio das Artes. O evento receberá 118 escritores e programou 60 lançamentos, 40 rodas de leitura, 34 mesas-redondas e palestras, 28 oficinas e 14 espetáculos, performances e saraus. Serão exibidos 14 filmes em mostra de temática literária. A agenda inclui três exposições e duas feiras.

Realizado pela Fundação Municipal de Cultura (FMC) em parceria com o Sesc-MG, o festival adotou o tema “Imagina o mundo, imagina a cidade”, com três eixos: cadeia criativa, cadeia de acesso e economia do livro. A capital mineira receberá pela primeira vez a Primavera do Livro, realizada pela Liga Brasileira de Editores (Libre) há 15 anos no Rio de Janeiro e cinco em São Paulo. Cerca de 60 editores vão marcar presença, comercializando oito mil títulos com descontos de até 50%. Virão à cidade os autores Milton Hatoum, Ana Miranda, Marina Colasanti, Humberto Werneck, Eric Nepomuceno, Chacal, Inês Pedrosa (Portugal), Juan Pablo Villalobos (Espanha) e Teresa Cárdenas (Cuba). Os gêmeos quadrinistas Fábio Moon e Gabriel Bá farão participação especial na conferência de Milton Hatoum.

“O diferencial do FLI-BH é a descentralização”, diz o presidente da Fundação Municipal de Cultura, Leônidas Oliveira. “Por se tratar do primeiro festival literário público, ele toma uma outra dimensão, com possibilidade de envolvimento de toda a cidade, que já conta com um salão e uma bienal do livro. Reconhecida nacionalmente, via pesquisas, como uma das maiores leitoras do país, não por acaso Belo Horizonte também será brindada com uma campanha de arrecadação de livros”, informa.

Inédita, a exposição Cidades escritas vai reunir fotografias de Daniel Mordzinski e textos de Afonso Borges. Há mais de 30 anos Daniel se dedica a retratar autores. Gabriel García Márquez, Mario Vargas Llosa, José Saramago e Jorge Luis Borges posaram para ele.

FLI-BH
De 25 a 28 de junho, das 9h às 22h. Parque Municipal Américo Renné Giannetti. Entrada franca. Informações: (31) 3277-9833. Inscrições para oficinas: www.flibh.com.br/oficinas.


AGENDA
Dia 25
• Conferência “Imagina o mundo, imagina a cidade”, de Milton Hatoum. Às 19h30, no Teatro Francisco Nunes

Dia 26
• Mesa “Leitura e literatura na primeira infância”, com Yolanda Reyes (Colômbia), Sueli Baliza (BH), Patricia Pereira Leite (SP) e Mônica Correia (BH). Às 10h, no Teatro Francisco Nunes

Dia 27
• Mesa “A vida dos outros: Sobre escrever biografias”, com Nádia Batella Gotlib (SP), Regina Echeverria (SP) e João Paulo Cunha (BH). Às 11h30, no Teatro Francisco Nunes
• Mesa “O cotidiano escrito”, com Ana Martins Marques (BH), Inês Pedrosa (Portugal), Beatriz Hernanz (Espanha) e Francisco de Moraes Mendes (BH). Às 20h, Teatro Francisco Nunes

Dia 28
• Mesa “Literatura: expansão da realidade”, com Ana Miranda (CE), José Eduardo Gonçalves (BH) e Luis Giffoni (BH). Às 10h30, Teatro Francisco Nunes
• Show de José Miguel Wisnik e Ná Ozetti. Às 20h, Teatro Francisco Nunes

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS