Justiça francesa investiga possível roubo de quadros de Picasso

Ação é movida pela enteada do artista, sobre um suposto desaparecimento de pinturas que lhe pertencem

por AFP - Agence France-Presse 14/05/2015 12:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AFP Valery Hache
Algumas das obras apareceram em fotos da coleção do empresário russo Dmitry Rybolovlev, que reside em Mônaco e que preside o clube de futebol AS Monaco (foto: AFP Valery Hache )
A justiça francesa abriu uma investigação e deteve para interrogatório um consultor de arte, após uma ação movida pela enteada de Picasso sobre um suposto desaparecimento de pinturas do artista que lhe pertencem, indicaram fontes judiciais.

Filha de Jacqueline Roque, a segunda esposa de Pablo Picasso, Catherine Hutin-Blay ajuizou a ação em março, depois de descobrir que algumas das pinturas do mestre pertencentes a ela apareceram no mercado, informaram as fontes, confirmando uma reportagem do jornal britânico The Telegraph.

Algumas dessas obras apareceram em fotos da coleção do empresário russo Dmitry Rybolovlev, que reside em Mônaco e que preside o clube de futebol AS Monaco.

Estas pinturas foram encomendadas a Olivier Thomas para serem transportadas e guardadas na região de Paris, e por essa razão Catherine Hutin-Blay questiona o papel do consultor no desaparecimento de suas obras.

Depois de receber a ação, o promotor de Paris abriu um inquérito judicial em 23 de março sob a acusação de "roubo", "ocultação de roubo" e "fraude", segundo as fontes.

Como parte da investigação, Olivier Thomas foi detido para interrogatório na segunda-feira, e nesta quarta-feira continuava sob custódia da polícia em Paris. A polícia realizou buscas na empresa com sede em Paris Art Transit International.

"Esperamos que as operações em curso permitam esclarecer o caso", declarou a advogada de Hutin-Blay, Anne-Sophie Nardon.

Hutin-Blay viu os quadros em fotos publicadas pela imprensa com artigos sobre os litígios entre Rybolovlev e outro empregador, Yves Bouvier. O primeiro acusa o segundo de ter mentido sobre o preço de compra de vários quadros para ficar com uma comissão maior do que a declarada.

No final de fevereiro, Bouvier foi acusado de "fraude" por esse caso.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS