Obra de Galeano terá sempre lugar de destaque, dizem especialistas

Ganhador de vários prêmios literários, Galeano se tornou mundialmente conhecido quando, em 1971, publicou seu livro mais famoso, 'As Veias Abertas da América Latina'

por Agência Brasil 14/04/2015 09:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
RONALDO SCHEMIDT / AFP FILES / AFP
Escritor uruguaio morreu aos 74 anos, em Montevidéu (foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP FILES / AFP)
A obra do escritor uruguaio Eduardo Galeano, que morreu nesta segunda-feira, em Montevidéu, ainda será lida por bastante tempo. A avaliação é de dois especialistas em literatura. Ganhador de vários prêmios literários, Galeano se tornou mundialmente conhecido quando, em 1971, publicou seu livro mais famoso, As Veias Abertas da América Latina. Ele também é considerado um dos mais populares pensadores de esquerda da América Latina.

O professor da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) Ivan Ulloa Bustinza diz que o escritor uruguaio, que morreu aos 74 anos, embora abordasse temas complexos em seus textos, é muito lido entre o público mais jovem. Para Bustinza, Galeano tem um lugar assegurado entre os melhores escritores latino-americanos de todos os tempos, e sua importância literária é indissociável do viés historiográfico e ideológico de sua obra.

“Galeano é uma autoridade intelectual e uma raridade no panorama latino-americano”, disse. “Um escritor de grande qualidade que logrou quebrar as barreiras entre a literatura e a história oficial ao se dar conta de que, muitas vezes, não há como atingir o verdadeiro alcance dos fatos históricos apenas olhando para os dados oficiais. Que, às vezes, é preciso recorrer a outros mecanismos, como a ficção, para tentar mostrar algo inacessível”.

Apesar de o próprio Galeano, ao participar, em 2014, da 2ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, ter sugerido que seu livro mais famoso está ultrapassado e que ele mesmo não seria capaz de voltar a ler a prosa “pesadíssima”, característica dos movimentos de esquerda da segunda metade do século passado, Bustinza considera 'As Veias Abertas da América Latina' uma obra “fundamental”.

“É um livro muito importante para a literatura e para a historiografia hispano-americana. É, como o próprio Galeano disse, uma obra muito ousada para alguém tão jovem como ele era ao escrevê-la. Pode, certamente, ser pesada, mas eu a considero imortal. Só que tem que ser lida com os olhos da época, quando vários países latino-americanos eram governados por regimes ditatoriais, e era necessário um pensamento próprio que transcendesse os pontos de vista europeus e norte-americanos”.

A professora do Departamento de Letras Modernas da Universidade de São Paulo (USP), Ana Cecília Arias Olmos, também considera 'As Veias Abertas da América Latina' “o livro mais importante de Galeano” uma obra-chave para entender como a esquerda pensava, há cinco décadas, a América Latina a partir de um “horizonte utópico”.

“Mesmo que em muitos aspectos esteja datado, o livro é imprescindível para pensarmos um período da história latino-americana. Inclusive para pensarmos criticamente o passado”, disse a professora, para quem Galeano terá sempre lugar de destaque na literatura latino-americana.

“Só não sei se necessariamente pela qualidade estética de sua ficção. Em termos puramente literários, ele é um escritor de menor fôlego se comparado até mesmo com outros escritores uruguaios como Juan Carlos Onetti. Pessoalmente, considero sua escrita muito singela. Mas acho que ela deve sobreviver ao tempo. No mínimo por seu gesto de interpelar o mundo sobre o espaço destinado à América Latina, por sua preocupação com o continente”.

Ainda sobre as qualidades puramente literárias de Galeano, Ana Cecília considera que a inquietação original do autor, seu desejo de compreender a América Latina, manteve-se intocável ao longo de toda sua trajetória e acabou por, na maturidade, resultar em textos “mais interessantes”, como os da trilogia Memória do Fogo, na qual o escritor mistura elementos da ficção e do ensaio à historiografia para atingir seus objetivos narrativos.

“O fato dele abandonar uma perspectiva totalizante de história e eleger uma voz permeada por outras dimensões da escrita - que tinham mais a ver com a ficção propriamente dita – dimensões com as quais ele assume que não se pode dizer tudo sobre a realidade apenas a partir dos dados históricos, torna seus últimos livros, a meu ver, mais interessantes. Mas, certamente, toda a reflexão [política] de Galeano a respeito da América Latina passará à história principalmente por meio de 'As Veias Abertas da América Latina'”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS