Casas noturnas tentam manter o cenário cultural de BH

Do popular ao rock, do forró à MPB, o Divirta-se montou um roteiro com dicas dos melhores espaços para cada gosto musical

por Ailton Magioli 27/02/2015 09:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MARCOS BELLUSCI/DIVULGAÇÃO
Circus Rock Bar: palco da cena pop no Lourdes (foto: MARCOS BELLUSCI/DIVULGAÇÃO)
Se a noite é uma criança, como diz o dito popular, as casas noturnas de Belo Horizonte parecem ainda engatinhar diante da visível falta de investimentos no setor. Desde o fechamento do Cabaré Mineiro, Olympia e Bar Nacional, entre outros espaços, a capital não vê surgir um espaço à altura de seu potencial de público. O eterno improviso que predomina no meio é uma consequência disso. Não fossem os (bons) teatros, com certeza ficaríamos a ver navios em vez de assistir a bons espetáculos.

Como o show não pode e nem deve parar, o Divirta-se dá dicas de espaços musicais dedicados a variados estilos e gêneros. Afinal, como diz o baterista americano Jimmy Duchowny, que volta a tocar hoje à noite, no CCCP, onde recebe o conterrâneo Mark Lambert (guitarra), não há melhor mercado do que o de BH. Será?

“É o melhor que já encontrei no Brasil”, garante Jimmy. “Tenho uma visão mais realista pelo fato de vir dos Estados Unidos, onde trabalhei por muitos anos”, acrescenta. Consciente da crise que, atualmente, tira de cena grandes instrumentistas belo-horizontinos às voltas com o desemprego, o baterista americano não foge do trabalho.

PAULA HUVEN/ESP.EM/D.A PRESS
Alambique, a casa dos sertanejos no bairro Estoril (foto: PAULA HUVEN/ESP.EM/D.A PRESS)
Mais recente casa musical da cidade, A Autêntica garante que, paralelamente à produção contemporânea local, vai privilegiar gringos em seu palco ao menos uma vez por mês. Uma boa notícia para incluir a capital mineira no circuito internacional. Enquanto isso, espaços alternativos, como o Granfinos, continuam defendendo a música independente autoral, cabendo ao chamado Circuito do Rock (Jack Rock Bar, Lord Pub e Circus Rock Bar) garantir a permanência do pop rock na noite.

Alguns palcos populares, como a Quadra do Vilarinho e o Bailão Venda Nova, cuidam da permanência do funk, rap, sertanejo e pagode, cabendo à Alambique Cachaçaria o privilégio de permanecer no mercado da música sertaneja. Enquanto isso, temporariamente fechada para rever conceitos, pois já não estaria disposta a investir apenas no segmento popular, a Galopeira anuncia: mês que vem está confirmado o show de Slash.
 
Para todos os gostos
 

ECLETISMO
>> Chevrolet Hall, Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, São Pedro, (31) 4003-5588
Um dos maiores complexos de eventos da capital abriga uma casa de shows. Localizada no terceiro piso, paralelamente aos espetáculos ela funciona também como quadra de esportes. Com capacidade para 3,5 mil pessoas, a casa de propriedade de um colégio tradicional se associou a um grupo de projeção nacional, recebendo shows nacionais e internacionais.

CLUBE DA ESQUINA
>> Godofredo Bar, Rua Paraisópolis, 738, Santa Tereza, (31) 3483-6341.
Propriedade de Gabriel Guedes, filho de Beto e neto de Godofredo Guedes, a casa se dedica a variados gêneros musicais, com destaque para a geração pós-Clube da Esquina e dos adeptos da MPB. O próprio Gabriel é uma das mais disputadas atrações do bar, ao lado de Rodrigo Borges, filho de Marilton Borges, nas noites de quarta-feira e sábado.

SOM E LIVROS
>> Status Café Cultura e Arte, Rua Pernambuco, 1.150, Savassi, (31) 3261-6045.
Shows de MPB, música instrumental e pop se alternam no palco que funciona agregado a uma livraria, na Savassi.
 
FORRÓ

>> Utópica Marcenaria, Av. Raja Gabaglia, 4.700, Santa Lúcia, (31) 3296-2868.
O gênero brasileiríssimo é o único fixo da casa (aos domingos), que também tem shows de MPB, samba e pop rock.

FUNK
>> Quadra do Vilarinho, Av. Vilarinho, 1.461, Venda Nova, (31) 3451-5009.
Palco de uma lenda urbana belo-horizontina (quem não se lembra do Capeta do Vilarinho?), a casa faz dos bailes seus verdadeiros shows, ainda que shows mesmo só ocorram eventualmente, com MCs. Aberta aos domingos, das 17h às 22h, ela comporta 3,5 mil pessoas – com um detalhe superbacana: responsabiliza-se em pagar para o público o metrô de volta, que funciona até as 23h.


INDEPENDENTE X ALTERNATIVO
>> Galpão Cultural Benfeitoria, Rua Sapucaí, 153, Floresta, (31) 9873-2365.
Produto de financiamento coletivo via plataforma Variável 5, um galpão cultural com capacidade para 150 pessoas vem chamando a atenção nas proximidades do Centro da capital, com a realização de shows e outras atividades.

MÚSICA AUTORAL
>> Granfinos, Av. Brasil, 326, Santa Efigênia, (31) 3241-1482.
A música independente autoral é o forte do espaço, que também privilegia o rock-metal. Com agenda de festas para um público mais descolado, o Granfinos, em março, vai se abrir ao sertanejo, com shows às quintas-feiras.

JAZZ
>> CCCP, Rua Levindo Lopes, 358, Savassi, (31) 3582-5628. Hoje, às 23h, tocam Jimmy Duchowny e Mark Lambert.
A boa música, segundo a direção, é o mote da casa, onde predominam jazz, rock, blues e soul. Tem jazz instrumental todas as semanas.

MÚSICA CONTEMPORÂNEA
>> A Autêntica, Rua Alagoas, 1.172, Savassi, (31) 3018-6169.
A  produção contemporânea local é o destaque da casa, recém-inaugurada. Além do olhar voltado para BHl, artistas internacionais se apresentam pelo menos uma vez ao mês  no local. O jovem baixista Frederico Heliodoro acaba de estrear     temporada na casa com seu grupo.

POP ROCK
>> Amsterdam Pub, Rua dos Inconfidentes, 1.141, Savassi, (31) 3262-0688.
São duas bandas ao vivo, por noite, nos fins de semana. Rock, puro rock.

>> Circus Rock Bar, Rua Gonçalves Dias, 2.010, Lourdes, (31) 3275-4344.
Caçula do circuito roqueiro, há quatro anos a casa recebe público de até 480 pessoas às sextas e sábados, com direito a dois shows por noite.

>> Jack Rock Bar, Av. do Contorno, 5.623, Funcionários, (31) 3227-4510.
A mais antiga das casas do chamado Circuito do Rock (as outras duas são Lord Pub e Circus Rock Bar), comporta 420 pessoas e faz shows (dois por noite) de quarta a domingo.

>> Lord Pub, Rua Viçosa, 263, São Pedro,
(31) 3223-0090.
Semanalmente, até 370 pessoas assistem a shows de rock (dois por noite) na casa, que também integra o Circuito do Rock.

>> Stonehenge Rock Bar, Rua Tupis, 1.448, Barro Preto, (31) 3271-3476.
O rock dos anos 1960, 70 e 80 são o destaque da casa, que funciona de quinta a domingo com shows de duas a seis bandas por noite.


Divulgação
West Pub: casa do country no coração do bairro de Lourdes (foto: Divulgação)
SERTANEJO
>> Alambique Cachaçaria, Av. Raja Gabaglia, 3.200, Estoril, (31) 3296-7188
As duplas predominam na programação da casa, cuja vista panorâmica da cidade é atração à parte. Com capacidade para 1 mil pessoas, o espaço possui bares temáticos e camarotes vip, recebendo shows, festas e eventos.

>> Bailão Venda Nova, Rua Elias Antônio Issa, 115, Venda Nova. O bailão só abre aos sábados, com capacidade para 3,5 mil pessoas.
De volta às origens a partir do mês que vem, com show de arrocha do baiano Pablo, a casa da Zona Norte volta a se dedicar especialmente ao sertanejo, ainda que não descarte, já para abril, uma nova apresentação do grupo de rap Racionais Mcs, que levou 1,7 mil pessoas ao local em janeiro.

>> West Pub, Rua Bárbara Heliodora, 123, Lourdes, (31) 2512-3852.
Considerado a casa noturna “mais country” da capital, o pub que tem capacidade para 350 pessoas vai do sertanejo de raiz a um mix da música eletrônica com esse gênero. Instalada em região de grande movimentação notívaga, a casa realiza shows nas noites de sexta-feira e sábado

>> Wood’s, Alameda da Serra, 154, Nova Lima, (31) 3567-9589.
Dedicada à música sertaneja, a casa, que comporta até 1,2 mil pessoas, trabalha com artistas fixos (Dani Morais, por exemplo) e também costuma receber estrelas. Michel Teló passou por lá em janeiro.

WORLD MUSIC
>> Jângal, Rua Outono, 523, Cruzeiro, (31) 3653-8947.
O pub dedica cada dia da semana a um gênero musical. A começar da world music instrumental e experimental, seguida de jazz, pop-rock, samba e samba de raiz.

METAL E PAGODE
>> Music Hall, Av. do Contorno, 3.239, Santa Efigênia, (31) 3209-8686.
Tão distintos quanto complementares, em termos de atração de público, os dois gêneros são destaque na casa, que também recebe samba, rap e funk.

POP
>> Gilboa, Rua Pium-I, 772, Carmo, (31) 3646-2433.
A música pop nacional e internacional é o destaque das noites de sábado, com atrações variadas no decorrer da semana. Blues, pop-rock, samba rock e reggae também estão na agenda.

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS