Com 'Humor', a companhia 'Quatroloscinco' busca um jeito próprio de fazer teatro

Espetáculo volta a BH, em cartaz na Campanha de Popularização do Teatro e da Dança

por Carolina Braga 20/02/2015 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Guto Muniz/divulgação
(foto: Guto Muniz/divulgação )
A julgar pela “quilometragem” do Grupo Quatroloscinco em 2014, Belo Horizonte está no atraso – pelo menos em relação a 'Humor'. A montagem, que nasceu na capital em março do ano passado, pouco ficou em cartaz na terra natal. A companhia mineira levou a peça aos festivais Porto Alegre em Cena (RS) e Mostra de Dourados (MS), além de capitais como Porto Velho (RO), Belém (PA), Porto Alegre (RS), Vitória (ES) e Florianópolis (SC).


“O retorno do público de vários estados foi muito diverso. Isso nos ajudou a entender a obra, a compreender detalhes da atuação e da dramaturgia essenciais ao processo de apropriação da peça”, comenta o ator e dramaturgo Marcos Coletta. Na volta para BH, o Quatroloscinco chega com novidades: a estreia na Campanha de Popularização do Teatro e da Dança e o lançamento, neste sábado, do livro com o texto de 'Humor'.

A dramaturgia de Marcos Coletta e Assis Benevenuto foi publicada pela Editora Javali, que estreia no segmento de textos teatrais. É o terceiro livro editado pela companhia. A iniciativa faz parte de um plano de incentivo à memória do grupo e de valorização da dramaturgia brasileira. Também estão disponíveis versões impressas de 'É só uma formalidade', 'Outro lado' e o 'Get out!'.

IMPROVISO 'Humor' nasceu de improvisações dos atores do Quatroloscinco, sob a orientação de Rodrigo Campos. Enquanto as cenas iam surgindo, Benevenuto e Coletta consolidavam o texto. Apesar de o nome sugerir algo cômico, o sentido de humor trabalhado pelo grupo é mais mórbido. Refere-se aos líquidos que correm dentro do ser humano.

A trama conta a história de Amadeu (Coletta), paciente de uma doença terminal. Enquanto a enfermidade vai literalmente secando o homem, um advogado (Ítalo Laureano), uma cuidadora (Rejane Faria) e um médico (Assis Benevenuto) discutem questões relacionadas à herança dele. O objetivo da trupe é refletir sobre o continuar da vida.

Para Ítalo Laureano, 'Humor' representa o amadurecimento da companhia em termos de linguagem e dramaturgia. “O espetáculo tem a ver com bancar uma forma de fazer teatro, não copiar receitas. É a busca da construção de linguagem”, ressalta.

Desde sua fundação, o Quatroloscinco investe em textos escritos pelos próprios integrantes. “Há a vontade de construir uma história que diz sobre a gente, sem ser biográfica, e mais relacionada com o contemporâneo do ponto de vista temporal”, completa Laureano.

Segundo ele, cenário e iluminação foram pensados para estar em sintonia com o texto. O tratamento estético desses elementos vem sendo apontado como um dos acertos de Humor em relação às outras montagens da companhia. O cenário começa com apenas uma parede e vai se transformando ao longo da apresentação.

“A gente constrói e destrói o cenário. Com isso, há uma tentativa de mostrar a fragilidade do ato de contar uma história”, conclui Ítalo.

HUMOR
Com o Grupo Quatroloscinco. CCBB BH. Praça da Liberdade, 450, Funcionários, (31) 3241-9400. Desta sexta até domingo, às 20h. R$ 5 (nos postos do Sinparc). A temporada vai até 8 de março, com sessões de quarta-feira a domingo. O livro Humor será lançado amanhã, às 21h, no Galpão Benfeitoria, Rua Sapucaí, 153, Floresta.


 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS