Exposição reúne trabalhos de cartunistas e chargistas mineiros em homenagem à Charlie Hebdo

Para o curador José Carlos Aragão, é importante reforçar valores democráticos

por Ailton Magioli 11/02/2015 09:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Son Salvador
(foto: Son Salvador)
Um dos lemas da Revolução Francesa que viria a motivar os inconfidentes, com direito a estampa na bandeira de Minas Gerais, a liberdade volta a ser fonte de inspiração para artistas do estado com a exposição 'Je suis Charlie, uai', que a Aliança Francesa Belo Horizonte inaugura hoje à noite, em solidariedade aos cartunistas do periódico 'Charlie Hebdo' assassinados em Paris.

 Antecedida de mesa redonda sobre o tema no Centro de Arte Popular (CAP), a mostra reúne charges, cartuns, quadrinhos e tirinhas de 23 autores mineiros. Sob curadoria do cartunista José Carlos Aragão, eles foram convocados a tratar da questão a partir do episódio terrorista que chocou o mundo.

“Temos uma mostra bem eclética de trabalhos relacionados ao atentado e outros que abordam o tema da liberdade”, informa o curador, que também participa de 'Je suis Charlie, uai'.

Representantes de variadas gerações do cartum mineiro participam da exposição: Aragão, Aroeira, Lor, Mário Vale, Melado, Nilson, Thalma, Alves, Duke, Dum, Edra, Genin, Guto Respi, Jorge Inácio, Lute, Mello, Nelson Cruz e Rico, além de três chargistas do Estado de Minas: Son Salvador, Quinho e Janey. Mineiro radicado no Rio de Janeiro, Ziraldo é o convidado especial da mostra, que vai ficar em cartaz até 7 de março.

Feitos em nanquim sobre papel ou em plataformas digitais, os trabalhos originais estão sob os cuidados de cada artista, enquanto as cópias são expostas.

“Deixamos todos bem à vontade para a criação. Até porque o tema é a liberdade de expressão, que também gerou um manifesto em apoio aos cartunistas franceses brutalmente assassinados”, relata José Carlos Aragão. Ele ressalta a amplidão do conceito de liberdade, que vai da forma de expressão ao direito de ir e vir, passando pela posição ideológica de cada cidadão. “Trata-se de um dos sustentáculos da democracia ocidental”, reforça o cartunista, lembrando o lema da Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade.

O curador lembra que, em 1977, a Aliança Francesa de Belo Horizonte promoveu outra exposição com cartunistas do estado. 'Humor em Minas' era um ato de resistência à ditadura militar. Hoje à noite, a instituição promove também debate sobre o tema “Sem liberdade não tem graça”, com a participação de Nilson, Lor e Lute, seguido da inauguração da mostra.

'Je suis Charlie, uai' contou também com um ateliê de criação com a participação de artistas urbanos. Orientados por Wagner Braccini e Júlia Panadés, eles criaram mural em solidariedade à iniciativa dos cartunistas. O trabalho também poderá ser conferido na Aliança Francesa.

JE SUIS CHARLIE, UAI
Nesta quarta, às 18h, mesa redonda no Centro de Arte Popular (CAP), na Rua Gonçalves Dias, 1.608, Lourdes. Às 19h30, abertura de exposição com trabalhos de cartunistas mineiros, na Aliança Francesa, Rua Tomé de Souza, 1.418, Savassi. A mostra poderá ser visitada amanhã e depois do carnaval. O espaço funciona de segunda a quinta-feira, das 8h às 21h, e sexta-feira e sábado, das 8h às 16h30. Informações: (31) 3291-5187.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS