Festival de Teatro de Curitiba dá passo rumo à internacionalização

Edição 2015 terá cinco peças internacionais entre as 29 selecionadas para a seleção oficial, que inclui apenas uma produção mineira, a montagem de Drummond pelo Ponto de Partida

por Carolina Braga 08/02/2015 12:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rodrigo Dai/Divulgação
A montagem 'Drummond', que o grupo mineiro Ponto de Partida apresenta no Festival de Curitiba (foto: Rodrigo Dai/Divulgação )

O Festival de Teatro de Curitiba dá em 2015 mais um passo em direção à sua internacionalização. A edição marcada para o período de 24 de março a 5 de abril terá 29 espetáculos na Mostra Oficial, sendo cinco estrangeiros, sete estreias nacionais. As demais peças da seleção são montagens aplaudidas pela crítica.

O Fringe, a programação paralela que ano após ano se renova como um grande feirão de peças, terá 393 montagens.

O grupo Ponto de Partida é o único mineiro escolhido para a Mostra Oficial. A remontagem de Drummond, originalmente criado em 1989, abre as comemorações dos 35 anos da companhia com sede em Barbacena. “Queríamos trazer, e eles queriam vir. E vêm com um espetáculo que é tido como referencial. Há muito tempo no festival acho que cabia trazer um espetáculo um pouco mais antigo. Pela qualidade que tem e pelo referencial que é”, afirma Leandro Knopfholz, coordenador geral do festival.

'Forces', espetáculo da companhia norte-americana Elizabeth Streb, marca a abertura da maratona. Essa é uma superprodução. Segundo Leandro, o número de atrações de fora tem aumentado porque são negociações que caminhavam há anos. “Para trazer um internacional você tem que falar com 10 e se não podem em um ano, deixam para o próximo. Todos eles têm motivos para estar em Curitiba este ano”, diz.

Os outros estrangeiros são 'A House in Asia', do grupo Agrupación Señor Serrano, de Barcelona, 'Double Rite', do dinamarquês Palle Granhoj, 'Surfacing', uma performance do norte-americano Holcombe Waller, e 'Numax Fagor Plus', de Roger Bernat.

Também diferentemente dos outros anos, a 24ª edição do Festival de Teatro de Curitiba sinaliza uma aposta maior nas estreias. Entre as sete premières escolhidas está 'Fishman', da companhia cearense Bagaceira de Teatro. A peça promete provocar uma reflexão sobre o que é produzido no Nordeste. Do Sudeste há novidades com a assinatura do carioca Daniel Herz. Ele dirige 'Meu saba', um monólogo com a atriz Clarissa Kahane.

É novidade entre os novatos 'OE', o novo espetáculo solo de Eduardo Okamoto. A montagem é inspirada no livro 'Jovens de um novo tempo, despertai!', do autor japonês Kenzaburo Oe. A direção é de Marcio Aurélio, e a dramaturgia, de Cássio Pires.

“Acho que estão buscando fazer teatro para novos públicos. Percebo isso na forma de fazer e de falar sobre o teatro. Sai dos ‘classicões’ e vai para uma linguagem contemporânea na forma e no tema”, observa Leandro. O coordenador também destaca o aprimoramento técnico, citando “toda a cadeia de luz, de som”, além do uso de “diversos recursos como projeção”, para concluir que “existe uma apropriação e um aprimoramento desses elementos que antes eram tabus, caros ou complicados”.

O Festival de Curitiba é conhecido por levar ao Paraná peças saudadas pela crítica e reconhecidas com premiações. Nessa linha estarão em cartaz o musical 'Samba Futebol Clube', de Gustavo Gasparani; 'Nômades', com direção de Márcio Abreu, tendo Andréa Beltrão, Malu Galli e Mariana Lima no elenco; 'Beije minha lápide', da diretora Bel Garcia, com Marco Nanini, Carolina Pismel, Júlia Marini e Paulo Verlings.

FRINGE

O teatro de Belo Horizonte não terá o destaque do passado no Fringe. Pelo segundo ano consecutivo, a mostra Grupos de BH, Teatro para Ver de Perto não será realizada no Paraná. Entre as 10 seções temáticas, cinco são novas e bastante segmentadas. A Grutum!, por exemplo, reunirá montagens universárias, e a Mostra Pernambucana de Teatro para Infância terá peças para as crianças. A Ilíada Homero Grécia 2016 terá 10 espetáculos com os cantos da obra grega de Homero. Ao todo, serão 17 espetáculos de Minas Gerais, a maior parte do interior, disputando a atenção no Fringe.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS