Feira oferece obras de arte a partir de R$ 150 como opção em presentes de Natal

Feira Arte Maison reúne peças de importantes artistas, como Yara Tupynambá, Carlos Bracher, Santa, Jarbas Juarez e Fernando Veloso; preços acessíveis pretendem ampliar alcance das obras

por Bossuet Alvim 11/12/2014 19:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Fernanda Ferraz/Divulgação
Telas de Glauco Moraes, Ricardo Ferrari e Evandro Renan são vendidas a R$ 850, R$ 900 e R$ 360 (foto: Fernanda Ferraz/Divulgação)
Para todos os gostos e com diversas faixas de preço, obras de arte são oferecidas como opção de presente para o fim de ano na Feira Arte Maison, promovida por uma galeria-escola de Belo Horizonte até a próxima segunda-feira, 15. Entre pinturas, desenhos, aquarelas e esculturas, peças de 30 criadores mineiros renomados são oferecidas a preços acessíveis, com a intenção de ampliar o alcance do que é produzido por estes artistas. O catálogo inicial tinha preços a partir de R$ 150 — obras desta faixa já estão esgotadas — até R$ 8 mil.

 

Proprietário da Maison Escola e Galeria, o artista plástico Glauco Moraes conta que a seleção à venda expõe várias vertentes da arte feita em Minas atualmente, com jovens talentos expostos lado a lado com veteranos conhecidíssimos — Yara Tupynambá e Carlos Bracher estão entre os expoentes do acervo.

 

"Selecionamos os artistas e explicamos que era uma proposta ligada ao Natal, ao fim de ano, para dar oportunidade a todos os públicos de manter uma obra em casa", detalha Moraes. Ele explica que os convidados toparam a ideia de imediato, e justifica: "a grande função do artista é, além de ter um olhar sensível para produzir, manter o olhar que promove a obra de arte".

 

Glauco relata que existe uma "espécie de disputa" conceitual entre as definições do que é obra de arte, peças decorativas e artesanato. Para ele, o dilema tem solução simples: "toda obra de arte pode ser decorativa, mas nem toda decoração é arte", afirma. Uma das funções da feira, segundo ele, é "quebrar o paradigma de que obra de arte precisa ser elitizada. Romper essa muralha não é fácil".

Fernanda Ferraz/Divulgação
Esculturas de Belkiss Diniz, Elisa Penna e Erli Fantini são oferecidas a R$ 200, R$ 400 e R$ 660,00 (foto: Fernanda Ferraz/Divulgação)
O artista plástico enxerga uma "idolatração da obra de arte" como artigo de luxo e aponta nesse fenômeno uma grande mentira. "A obra de arte cabe em qualquer orçamento. O diferencial é que, se você enjoar, pode colocá-la à venda e geralmente ela não perde valor, só ganha", exemplifica.

 

O proprietário da galeria admite que "a escolha da obra de arte é muito subjetiva", mas enxerga no ato de oferecê-la como presente um gesto "muito requintado e de bom gosto". Ele compara essa escolha a "dar um perfume como presente", por exigir um conhecimento mais detalhado da pessoa a quem se pretende presentear. Com a vantagem da dinâmica de uma peça artística, mais fácil de se adaptar ao gosto pessoal do que uma fragrância. "Ainda que não se acerte 'na pinta', a pessoa vai conseguir encontrar um ambiente em casa onde aquela obra se encaixará", garante Glauco. "É algo decorativo, com certeza, mas um gesto quase solene que só tende a crescer em valor", ele diz.

 

Feira Arte Maison

Até segunda-feira, 15 de dezembro, na Maison Escola e Galeria de Arte (Rua Antônio Aleixo, 235, Lourdes). Segunda a sexta de 9h às 18h; sábado de 9h às 12h. Entrada franca. Informações: (31) 3261-5885.

 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS