Mostra Afetividades eletivas traz 150 obras do colecionador mineiro Luiz Sérgio Arantes

Exposição acontece na galeria de arte do Minas Tênis Clube

por Walter Sebastião 07/12/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Luisa Meyer/Divulgação
Con-fio, obra de Jorge Menna Barreto, integra a mostra Afinidades eletivas, na Galeria de Arte do Minas (foto: Luisa Meyer/Divulgação)
A mostra Afetividades eletivas, em cartaz na Galeria de Arte do Centro Cultural Minas Tênis, traz cerca de 150 obras da coleção do mineiro de Uberlândia, radicado em São Paulo, o engenheiro Luiz Sérgio Arantes. Ele começou a colecionar arte nos anos 1970, quando ainda era estudante de engenharia na UFMG. O que o deixou admiração pela geração pós-Guignard, como Álvaro Apocalipse e Amilcar de Castro. O interesse, observa, é por arte que traga novidades e questionamentos.

“Como é coleção que foi formada pelo afeto, procurei manter este aspecto na mostra”, conta a historiadora Margarida Sant’Anna, curadora da exposição. Privilegiou autores mineiros, além de aquisições recentes. Organizou os conjuntos valorizando diálogos entre as obras, sem hierarquias entre as técnicas e atenta a questões contemporâneas, como o uso da letra e do texto ou a discussão sobre os gêneros, o espaço, a arte e o lugar. É exposição que procura valorizar o colecionismo.

“Os colecionadores apostam em artistas que o museu leva tempos para incorporar”, explica Margarida Sant’Anna. “Espero que a exposição motive a formação de colecionadores”, observa. E considerando esse aspecto, abriu espaço para gravura e fotos, afastando a ideia de que arte “é só obra caríssima” e que coleção é para milionários. Forma simples de começar uma coleção, aponta, é aquisição de obras que têm tiragem. Outra dica são os clubes de colecionadores, como o do Museu de Arte Moderna de São Paulo.

O colecionador Luiz Sérgio Arantes é casado com a artista plástica Shirley Paes Leme. Ela sugere artistas para a coleção dele e vice-versa. “Mas nem sempre aceito os palpites da Shirley, ela tem a coleção dela”, brinca. Já houve obras da esposa que viu surgir e, antes de ela levar para as galerias, foram incorporadas à coleção dele. “O prazer da coleção é ter os trabalhos perto de você. São memórias, lembranças, interações ricas. No momento, estou com paredes vazias e sentindo falta dos trabalhos que tenho”, conta.


Na mostra


Álvaro Apocalypse, Brígida Baltar, Amilcar de Castro, Cinthia Marcelle, Oswaldo Goeldi, Regina Silveira, Farnese de Andrade, Mira Schendel, Wilde Lacerda, Mabe Bethônico, Cildo Meirelles, Thais Helt, Leonilson, Maria Helena Andrés, José Alberto Nemer, Carmela Gross, Marcos Coelho Benjamin, Leda Catunda, Mário Zavagli, entre outros.

Afetividades eletivas


Coleção Luiz Sérgio Arantes. Galeria de Arte do Centro Cultural Minas Tênis Clube, Rua da Bahia, 2.244, Lourdes. De terça a sábado, das 10h às 20h; aos domingos e feriados, das 11h às 19h. Até 1º de março. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS