Editora recupera obras do mineiro Wander Piroli

Escritor foi um dos grandes nomes do conto mineiro

por Carlos Altman 07/11/2014 10:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MARIA TERESA CORREIA/EM/D.A PRESS
Morto em 2006, aos 75 anos, Wander Piroli tem livros de tramas delicadas e surpreendentes (foto: MARIA TERESA CORREIA/EM/D.A PRESS)
De uma geração de autores mineiros que ficou conhecida a partir da segunda metade dos anos 1960, quando eclodiu em todo o país – tendo à frente Roberto Drummond –, o boom do conto mineiro, mas injustamente esquecido depois de sua morte, em 2006, aos 75 anos, o contista e jornalista Wander Piroli finalmente começa a ter sua obra resgatada. A editora paulista Cosacnaify, num trabalho gráfico impecável, acaba de lançar dois livros do autor voltados para o público infantojuvenil: 'O matador', com ilustrações de Odilon Moraes, e o inédito 'Três menos um é igual a sete', ilustrado por Marcelo Lelis.

Será lançado em seguida o restante da obra, que engloba, entre outros, os livros de contos 'A mãe e o filho da mãe', 'Minha bela putana', além dos clássicos 'Os rios morrem de sede' e 'O menino e o pinto do menino', que revolucionou a literatura infantojuvenil brasileira nos anos de 1970.

Numa narrativa simples e comovente, só possível para iniciados, em 'Três menos um é igual a sete' Piroli conta, em capítulos curtos, a história de uma família que, depois de ter o sítio arrombado por ladrões nas imediações de Belo Horizonte, resolve arranjar um cachorro para servir de guarda. Só que, em vez de um, eles ganham três animais, entre os quais uma fêmea. Com o passar do tempo, a cachorrinha Fofura entra no cio, para a alegria dos dois companheiros, Preto e Pinduca. Como resultado previsível, a cadela engravida e começaram os problemas, que culminam, para a tristeza das crianças, com a doação dela e dos filhotes a um sitiante vizinho.

A história não termina aí, mas numa “madrugada chuvosa de domingo”, quando a família passeava no sítio, e um dos filhos começa a ouvir “o ruído de unhas na porta da cozinha”. Não deu outra, era Fofura, que estava de volta à casa levando, um a um, em sete viagens consecutivas, todos os seus filhotinhos.

Arrepios

Já em 'O matador', a leitura não demora mais de 15 minutos, mas o final é de arrepiar os cabelos até mesmo de marmanjos. Piroli narra a aventura, provavelmente autobiográfica, de um menino ruim de pontaria, que finalmente consegue – após dezenas de tentativas fracassadas – alvejar com o seu bodoque um pardal pousado no telhado da casa. Ocorre que o passarinho, quando o garoto foi pegá-lo, ainda estava vivo.

Obviamente, não vamos entregar o final. Caberá os leitores descobri-lo, com a leitura de mais esta pequena obra-prima da literatura infantil brasileira, assim como dos outros livros de Wander Piroli, belo-horizontino nascido no lendário Bairro da Lagoinha, advogado que nunca exerceu a profissão, e jornalista com passagem por diversos veículos da capital, entre eles o jornal Estado de Minas, onde fez história.

Ao falar do amigo de geração, que teve ainda, entre outros, os mineiros Roberto Drummond, Murilo Rubião e Oswaldo França Júnior, o carioca João Antônio e o baiano Antônio Torres, o paulista Ignácio de Loyola Brandão disse: “Piroli era um homem corpulento, de mãos grandes, mas um sujeito afável, terno, que escrevia com afeto e humor, e que não apenas merecia como precisava dessa redescoberta”.

Três menos um é igual a sete
infantojuvenil, 48 páginas, ilustrações de Marcelo Lelis

O matador
infantojuvenil, 16 páginas, ilustrações de Odilon Moraes

. De Wander Piroli
. Editora Cosacnaify

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS