Frida Kahlo é influência forte em diversos campos da arte há 60 anos

Cores das obras da artista mexicana voltam com força total e influenciam a estética de trabalhos em várias áreas

por Rebeca Oliveira 23/10/2014 19:54

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Frida Kahlo/Reprodução
'Las Dos Fridas' (As duas Fridas), de 1939: artista retratava dor e sofrimento em autorretratos (foto: Frida Kahlo/Reprodução)
Arranjo de flores no cabelo, saias coloridas e estampadas, sobrancelhas grossas e quadros de traços fortes e multicoloridos. As características intrínsecas a Frida Kahlo tornaram a mexicana um ícone. A intensa produção artística e a personalidade incomum a qualquer mulher da época fizeram da pintora uma das mais importantes artistas latinas.

Mais que isso: sua influência extrapola as artes visuais. Da música à moda, passando pelo teatro e pela fotografia, há registros da presença dela em diversas esferas culturais. “Frida é feita de dualidades. Ao mesmo tempo em que era muito independente e engajada politicamente, tinha uma carência emocional, precisava sentir o afeto das pessoas”, afirma Estela Sandrini, curadora do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.
Nickolas Muray/Reprodução
Frida fotografada por Nickolas Muray na cama, local em que costumava pintar (foto: Nickolas Muray/Reprodução)

Foi Sandrini quem trouxe ao Brasil a exposição Frida Kahlo – As suas fotografias, em exibição desde 17 de julho na capital paranaense. A mostra foi prorrogada devido ao grande sucesso de público e segue em cartaz até 30 de novembro. Até hoje, já teve 112 mil espectadores. De Curitiba, as fotos seguem para Alemanha e Austrália.

Para Estela, o forte apelo comercial de Frida se deve ao histórico de lutas e conquistas que marcam sua vida. “Frida representa a mulher latina, apesar de ter descendência alemã. Aliás, pouca gente sabe, mas os pelos do buço e da sobrancelha, uma marca dela, foram um pedido pessoal do grande amor da pintora, o muralista Diego Rivera”, explica.
Frida Kahlo/Reprodução
'La columna rota' (A coluna quebrada), de 1944, reflete sequelas de acidente sofrido aos 18 anos (foto: Frida Kahlo/Reprodução)
Influência
Um acidente de trem aos 18 anos pontuou a maior parte da vida e obra de Frida. Mais que a dor física, a barra de ferro que atravessou sua pélvis e imobilizou sua coluna, obrigando-a a usar um desconfortável colete cervical, causou-lhe mudanças drásticas em sua personalidade. “Ela é um exemplo de como aceitar o sofrimento e se superar. Paciência, superação e perseverança são suas maiores qualidades”, explica Estela Sandrini.

Frida Kahlo teve uma vida curta — em 2014, faz exatas seis décadas que ela morreu, de maneira precoce, aos 47 anos. Mas permanece viva sob o olhar de outros artistas. A quadrinista brasiliense Ana Paula Sena é uma delas. Com frequência, explora temas como o feminismo e a igualdade de direitos em suas criações, que, segundo ela, são valores que extraiu observando a vida da pintora mexicana. “Frida me marcou como artista e como mulher. O que mais nos aproxima é seu estilo único e a sua forma de pintar, que é extremamente autobiográfica”, conta

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS