Balé Teatro Guaíra festeja 45 anos dividindo a cena com grupos convidados

Apresentação com a Companhia de Dança Palácio das Artes será nesta sexta-feira, no Sesc Palladium

por Walter Sebastião 23/10/2014 07:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Sergio Vieira/Divulgação
A sagração da primavera parte da obra de Stravinski, com coreografia da portuguesa Olga Roriz (foto: Sergio Vieira/Divulgação)
Uma intervenção cênica vai movimentar esta tarde o hall de entrada do Palácio das Artes: às 17h, haverá uma performance reunindo a Companhia de Dança Palácio das Artes (MG) e o Balé Teatro Guaíra (PR). O encontro serve como aquecimento para a apresentação que os grupos farão nestasexta-feira às 20h, no Grande Teatro Sesc Palladium, o grupo mineiro com 'Entre o céu e as serras'; os curitibanos, 'Sagração da primavera'. A parceria faz parte do programa BTG & cias., comemorativo dos 45 anos do grupo paranaense e que prevê a apresentação dos mineiros também em Curitiba.

'Entre o céu e as serras' tem direção de Cristina Machado e se volta para aspectos da cultura mineira, com referências ao barroco e à formação histórica de Minas Gerais. No palco estão representados o domínio português, a resistência da cultura negra, as festas populares, a relação do homem com a natureza. Já 'Sagração da primavera', do Balé Teatro Guaíra, parte da peça clássica de Igor Stravinsky, com direção e coreografia da portuguesa Olga Roriz, reproduzindo um ritual pagão em que uma jovem é escolhida por um ancião da aldeia para dançar até morrer.

Paulo Lacerda/Divulgação
Cia. de Dança do Palácio das Artes traz de volta 'Entre o céu e as serras' (foto: Paulo Lacerda/Divulgação)
Diálogos


“O Balé Teatro Guaíra, no palco, é força, vigor, expressão”, explica Cíntia Napoli, diretora do grupo desde 2012. “Produto de uma história de contínuo aprimoramento que vem levando a amadurecimento artístico.” Ainda segundo ela, são transformações decididas por opção de uma companhia contemporânea, substituindo o perfil eclético de quando surgiu. “Mas é um contemporâneo que conversa com o público e que dialoga com a tradição”, acrescenta a diretora, que está no grupo há 34 anos, como bailarina, ensaiadora e professora.

O projeto BTG & cias. prevê apresentação do grupo paranaense com companhias públicas de cinco cidades (Manaus, São Paulo, Salvador, Niterói e Belo Horizonte), que vão estar juntas em Curitiba de 13 a 16 de novembro. A iniciativa, conta Cíntia Napoli, nasceu da vontade de comemorar os 45 anos do grupo curitibano com pessoas e instituições que têm as mesmas preocupações, desejos, dificuldades e sonhos. “Como acontece nas festas de aniversário, quando reunimos as pessoas mais queridas”, brinca a diretora.

“O Brasil tem trabalhos bonitos que representam bem o país e que são sonhos realizados”, continua Cíntia Napoli. “Sinto que, com a troca de experiências, podemos crescer mais ainda. O que falta é olhar as companhias de dança como algo importante. Dança transforma e sensibiliza o ser humano e esse poder dela não foi compreendido e reconhecido”. E conclui: “Ser bailarino ainda não é fácil, mas vamos vendo a profissão ser respeitada”. Em tempo: Cíntia revela o desejo de que os bailarinos tivessem melhor infraestrutura profissional, como assistência médica.

ENTRE O CÉU E AS SERRAS/A SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA
Performance com os bailarinos da Companhia de Dança Palácio das Artes e Balé Teatro Guaíra. Nesta sexta-feira, às 20h, no Grande Teatro Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro), com entrada franca mediante doação de um quilo de alimento para o Programa Mesa Brasil Sesc. Hoje, às 17h, haverá uma prévia no hall do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS