Esquyna Latina debate ditaduras militares na América do Sul a partir de peças e leituras dramáticas

Festival de teatro em BH inclui releituras de obras mineiras lançadas à época da censura

por Bossuet Alvim 23/09/2014 18:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Nora Lezano/Divulgação
Argentinos da Elefante Club de Teatro apresentam 'La mujer puerca' no sábado e domingo, a R$ 14 (foto: Nora Lezano/Divulgação)
Em 1979, um ano após a queda do AI-5 e ainda sob forte vigilância da censura, Eid Ribeiro levou ao palco, em Belo Horizonte, a peça 'Delito carnal'. Em montagem do Grupo Carne e Osso, o espetáculo tornou-se conhecido entre os mineiros à época pela linguagem de farsa hiper-realista e pelo humor ácido com que abordava o estado de exceção, promovido pela ditadura militar. Aos 35 anos, o texto volta à cena pela ótica do Grupo Teatro Invertido e do Mayombe Grupo de Teatro, nesta quarta-feira, 24. A leitura dramática integra o projeto Esquyna Latina, que debate os regimes militares na América do Sul sob a perspectiva das artes cênicas.

 

As atividades promovidas no centro cultural Esquyna, mantido no Bairro Santa Efigênia pelos grupos Mayombe e Teatro Invertido, atendem à ansiedade das duas companhias pela discussão de urgências que modificaram a história recente do país. "Ao refletirmos sobre esse passado recente nos perguntamos: como era o movimento teatral durante as ditaduras que assolaram a América Latina? Que textos nasceram neste período? E o que aconteceu em Minas Gerais?", explica Sara Rojo, diretora do Mayombe.

 

Em sua segunda edição, a iniciativa apresenta recortes da produção teatral brasileira no período da ditadura — além de 'Delito carnal', também há leitura dramática para 'O último carro', peça de João das Neves apresentada originalmente entre 1977 e 1978 que tornou-se ícone da resistência cultural durante o regime. 

 

O diálogo com a produção estrangeira, principal premissa do projeto, é representado pela companhia Elefante Club de Teatro, da Argentina. O grupo leva ao palco do Esquyna a montagem 'La mujer puerca', de Santiago Loza, espetáculo premiado em festivais e que foi destaque no 21º Porto Alegre em Cena, neste ano. A programação segue até o próximo domingo, 28.

Guto Muniz/Divulgação
Apresentação de 'Klássico (com K)', espetáculo recente do Mayombe, faz ponte com a atualidade (foto: Guto Muniz/Divulgação)
Esquyna Latina - Há 50 anos do golpe

De quarta-feira, 23, a domingo, 28 de setembro, no Esquyna - Espaço Coletivo Teatral (Rua Célia de Souza, 571, Sagrada Família). Informações: esquyna.blogspot.com/facebook.com/esquyna ou (31) 9395-0500.

 

'Delito carnal', de Eid Ribeiro, leitura dramática com Grupo Teatro Invertido e Mayombe Grupo de Teatro. Quarta-feira, às 20h. Seguido do debate 'Dramaturgia, história e os regimes de exceção', mediado por Antônio Hildebrando (Teatro - EBA/UFMG), com Eid Ribeiro, Grupo Teatro Invertido e Mayombe Grupo de Teatro. Entrada franca.

'O último carro', de João das Neves, leitura dramática com ZAP 18. Direção de Cida Falabella. Quinta-feira, às 20h. Seguido do debate 'Dramaturgia, história e os regimes de exceção', mediado por Fernando Mencarelli (Teatro - EBA/UFMG), com João das Neves e ZAP 18. Entrada franca.

'Klássico (com K)', espetáculo com Mayombe Grupo de Teatro (Belo Horizonte). Sexta-feira, às 20h. Ingressos a R$ 14 e R$7 (meia).

 

'La mujer puerca', com Elefante Club de Teatro (Argentina). Sábado às 20h e domingo às 19h. Ingressos a R$ 14 e R$7 (meia). Sessão de sábado seguida do debate 'O teatro argentino e a dramaturgia de Santiago Loza', com Federico Irazábal (Universidad de Buenos Aires/Argentina) e Graciela Ravetti (UFMG-CNPq). No domingo, bate-papo com o grupo mediado por Patricia Henríquez (Universidad de Concepción/Chile).

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS