Orlando Orube traz para o palco adaptação do espanhol 'Pegados', de Ferran Gonzales

Diretor garante que comédia tem bons diálogos e personagens, além de belas canções

por Jefferson da Fonseca Coutinho 04/09/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Matheus Matta Machado/Divulgação
"A história de amor construída pelas circunstâncias é uma grande sacada do autor", Orlando Orube, diretor (foto: Matheus Matta Machado/Divulgação)
Diferentemente do que a ideia central pode sugerir, não há baixaria. É o amor o mote de Colados – Uma comédia musical diferente, que estreia hoje, às 21h, no Cine Theatro Brasil Vallourec. Homem e mulher grudados pelo sexo casual em noite de balada é apenas o ponto de partida para o romance de uma vida. A versão brasileira de Pegados, do espanhol Ferran Gonzales, tem adaptação e direção de Orlando Orube. O criador argentino comemora 40 anos de carreira – metade dedicada às artes cênicas de Minas. O artista está em Belo Horizonte desde 1994 e tem sido profissional atuante da cena local.

Inquieto, à procura de reinventar-se em cada escolha, Orube vive momento bastante particular de sua história. Aos 59 anos, pai das gêmeas Antônia e Valentina, de oito meses, o diretor fala sobre a nova aposta no palco com o entusiasmo de iniciante. Tem Antônia no colo. “É uma belíssima história de amor. O público pode esperar um divertimento gostoso de se ver e ouvir, com excelente texto e canções incríveis. E quem for assistir à peça vai ter muito o que conversar depois do teatro. Vai ser uma cervejinha deliciosa”, diverte-se. Orube conta que foi tocado pela obra de Gonzales logo que a conheceu, na Argentina.

“Fiquei encantado logo que vi a montagem em Buenos Aires e fiz de tudo para conseguir os direitos. O Ferran Gonzales é excelente autor. Tanto que já estou garantindo a autorização para montar o seu mais novo trabalho”, diz. O diretor contabiliza quatro meses debruçado sobre a adaptação de Pegados. Na versão em português, Colados, Orube, diretor de atores e de cuidados a mais com a palavra, encarou o desafio de lidar com as intenções cantadas. Na peça, ele traz ao palco três atores cantores – Gilberto Sorolli, Daniela Cassimiro e Suellen Ogando –, além do pianista e cantor Robério Molinari.

Intérpretes completos
As quatro vagas na cena foram disputadas por 40 artistas. Para o elenco, a equipe técnica buscou “intérpretes completos”. Uma dificuldade a mais em terra de poucas oportunidades em musicais. Satisfeito com o processo e, especialmente, com o resultado, Orube acredita dar projeção aos artistas que conquistaram espaço em Colados. “Beto Sorolli, agora, vai ser lançado na condição de estrela”, brinca, referindo-se ao par da atriz Daniela Cassimiro. Suellen Ogando, a “enfermeira diferente” na trama de Gonzales, tem trajetória de talento, dedicação e trabalho pelo gênero em Minas.

Para Orube, Colados tem tudo para agradar, inclusive, o público que não gosta de musicais. O diretor considera ‘‘a história de amor construída pelas circunstâncias uma grande sacada do autor”. Além da qualidade dos diálogos, da riqueza das personagens e das 16 canções, Orube destaca o encontro do casal. “Não ficassem pegados, os dois teriam transado e ido embora logo depois. Mas não. Os dois foram obrigados a passar a noite um no outro e daí se apaixonam”, conta. O argumento de Gonzales foi recorte da vida real, de uma ocorrência dos anos 1990, num povoado próximo a Barcelona.

Desde a estreia de Pegados, em 2010, na Espanha, com prêmios e temporadas em Madri, Barcelona e Valência, o texto e as canções de Gonzales – que já foi protagonista do musical – têm movimentado os teatros de grande público. A peça ganhou produções na Argentina, no México, na Alemanha e, agora, no Brasil. A montagem mineira já tem agenda no Amazonas e no Rio Grande do Norte. Para o próximo ano, a trupe de Orube pretende levar Colados ao Paraná, ao Rio de janeiro e a São Paulo.

COLADOS – UMA COMÉDIA MUSICAL DIFERENTE
Nesta quinta e sexta-feira, às 21h; sábado, às 21h30 e domingo, às 19h. Cine Theatro Brasil Vallourec, Av. Amazonas, 315, Centro. Ingressos: Setor 1 – R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia); setor 2 – R$40 (inteira) e R$ 20 (meia). Duração: 1h40. Classificação: 14 anos. Informações: (31) 3463-1300.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS