Circuito BNDES Musica Brasilis chega a BH com apresentação na FEA

Prometendo um espetáculo completo, concerto conta até com a projeção de filmes e animações

por Carolina Braga 27/08/2014 09:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Guto Costa/Divulgação
A cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte idealizou o projeto para recuperar partituras raras (foto: Guto Costa/Divulgação )
Uma aula de história sobre a canção no Brasil, com direito a partituras recuperadas, inserções cinematográficas e até pitadas teatrais. A ideia da cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte não é oferecer simplesmente concertos com o Circuito BNDES Musica Brasilis, mas espetáculos completos. Realizado também em Porto Alegre, Rio de Janeiro e Fortaleza, o evento chega nesta quarta a Belo Horizonte com homenagens aos compositores Alberto Nepomuceno e Glauco Velasquez.


O Musica Brasilis foi criado há cinco anos, tendo como objetivo principal a valorização e o resgate de obras de nosso passado. Como a proposta é ser multimídia, enquanto a pianista Clara Sverner e a soprano Rosana Lamosa executam as obras de Alberto e Glauco, o ator Luiz Arthur interpretará Nepomuceno em um monólogo. No cenário assinado por Hélio Eichbauer serão exibidos filmes de Humberto Mauro e animações de Dani Ferrari.


“A preocupação era fazer espetáculos e não apenas concertos, porque percebemos que o mundo se tornou muito visual. O cenário e as projeções entram em sinergia com o repertório. Tudo é muito enriquecedor”, explica Rosana Lanzelotte. Ela, que também é autora dos textos lidos em cena, em parceria com Beth Ritto, conta que o roteiro da apresentação foi pensado em função da mistura dos elementos visuais e musicais.


O programa escolhido para o concerto tem 10 obras de Alberto Nepomuceno compostas entre 1888 e 1908, e outras nove de Velasquez, escritas entre 1899 e 1913. “Cada um tem características próprias e uma contribuição singular à nossa produção”, acrescenta Rosana Lanzelotte. Nepomuceno é considerado pai do nacionalismo musical brasileiro. Além de ter empregado ritmos africanos em algumas das obras, era defensor das canções em português.


“Ele dizia que ‘não tem pátria um povo que não canta em sua língua’. Até aquele momento, a produção clássica era feita em italiano e francês. É praticamente o inventor da canção brasileira”, diz Rosana Lanzelotte. Já Glauco Velasquez, embora tenha morrido aos 30 anos, chamou a atenção pelo estilo e ousadia harmônica. 

 

Saiba mais... Humberto Mauro

A obra de Humberto Mauro que será projetada no espetáculo foi feita por encomenda do antigo Ministério da Educação e Cultura em 1950. O cineasta mineiro criou uma série de documentários curtos sobre personalidades da música nacional. Com 12 minutos de duração, o trabalho sobre Nepomuceno ressalta aspectos da vida do compositor e detalha trechos musicais da Série Brasileira, formada pelos fragmentos Alvorada na Serra, Intermédio, A sesta na rede e Batuque. 

 

NA INTERNET

O Musica Brasilis foi idealizado por Rosana Lanzelotte com o objetivo de recuperar partituras importantes da nossa história. Além de serem executadas ao vivo nas quatro cidades, o material é disponibilizado gratuitamente pela internet, no endereço www.musicabrasilis.org.br.

 

CIRCUITO BNDES MUSICA BRASILIS
Nesta quarta, às 20h30, na Fundação de Educação Artística (Rua Gonçalves Dias, 320, Funcionários). Ingressos a R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS