Trajetória do arquiteto Jorge Zalszupin é contada em livro

Fundador da L'atelier, Zalszupin valorizou a riqueza das madeiras brasileiras. Arquiteto é considerado pioneiro do design de móveis modernos no país

por Walter Sebastião 27/08/2014 08:57

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Index/divulgação
"Meu projeto era algo novo, que não existia no mercado%u201D Jorge Zalszupin, arquiteto e designer (foto: Index/divulgação)
O livro 'Jorge Zalszupin: design moderno no Brasil' será lançado hoje, na São Romão Móveis, em BH. Escrito por Maria Cecília Loschiavo e organizado por Lissa Carmona Tozzi, o volume contextualiza a trajetória de um pioneiro na produção industrializada do móvel moderno brasileiro, na década de 1960, e no uso intensivo do design em produtos de plástico, na década de 1970. Verbetes ilustrados apresentam 34 linhas de móveis criados por Zalszupin, de 93 anos. Um capítulo aborda a inserção de sua obra nas formas de produção e ambientes contemporâneos.


Polonês naturalizado brasileiro, o arquiteto Jorge Zalszupin fundou a L’atelier, em São Paulo, na década de 1950. Ele se dedicou ao design ao constatar a carência de mobiliário para as casas que projetava. “Veio, então, a minha vocação e a vontade de ir mais longe. Meu projeto era algo novo, que não existia no mercado”, explica. Uma de suas influências foi o design dinamarquês. Alvar Aalto e Le Corbusier são mestres para ele. “Gostaria que as pessoas observassem o uso das madeiras nacionais no que faço e o quanto elas me fascinam, principalmente o jacarandá”, afirma Zalszupin.


De acordo com Maria Cecília Loschiavo, já se conhecem de forma relativamente satisfatória os vários capítulos da história do design de móveis modernos no Brasil. “Graças aos esforços de pesquisadores, estudiosos e colecionadores, o país dispõe de conhecimento relativamente sistematizado, mas é preciso ressaltar que ele está significativamente concentrado na criação e produção das regiões Sul e Sudeste, sobretudo Rio de Janeiro e São Paulo, além de algumas experiências em Minas Gerais”, explica a pesquisadora. No caso mineiro, ela cita Cataguases, onde fica uma residência projetada por Niemeyer com móveis criados por Joaquim Tenreiro.


Index/divulgação
Pétala, mesa projetada por Jorge Zalszupin (foto: Index/divulgação)
“Precisamos aprofundar o conhecimento do design feito em outras regiões do país, com suas peculiaridades de materiais e técnicas construtivas. Seria muito bom sabermos mais sobre o esforço de várias gerações de designers e artesãos. Vale a pena conhecer o papel das indústrias, destacar a preocupação e o controle do uso dos recursos naturais. Vale a pena saber que a história do nosso país está indissociavelmente ligada à madeira: seu próprio nome deriva do pau-brasil”, observa.
Maria Cecília aconselha: “Vale a pena a gente se sentar confortavelmente em qualquer uma das peças geniais projetadas por Sérgio Rodrigues, Zanine Caldas e Tenreiro, entre tantos outros, para saborear a história do móvel e da casa brasileira”.


'JORGE ZALSZUPIN: DESIGN MODERNO NO BRASIL'
De Maria Cecília Loschiavo. Editora Olhares, 242 páginas. Lançamento nesta quarta, às 18h30, na São Romão  Móveis, Rua São Romão, 88, Bairro São Pedro. Informações: (31) 3281-8117.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS