Grupo ipatinguense Hibridus Dança traz espetáculo de solos a BH

Apresentações vão de quinta a domingo na Funarte MG como parte do projeto 'Ocupação 3.0 - De lá pra cá'

por Mariana Peixoto 15/07/2014 09:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
NILMAR LAGE/DIVULGAÇÃO
Grupo Hibridus Dança apresenta solos no projeto Ocupação 3.0 %u2013 De lá pra cá (foto: NILMAR LAGE/DIVULGAÇÃO)
Em 2012, quando estava prestes a completar 10 anos, o grupo Hibridus Dança, de Ipatinga, resolveu criar um espetáculo que unisse diferentes solos. Seus quatro integrantes – Luciano Botelho, Maria Cloenes, Rosângela Sulidade e Wenderson Godoi – convidaram quatro criadores,  – Marcelo Nauer, do teatro, Dudude Herrmann e Marcelo Evelin, da dança, e Marco Paulo Rolla, das artes plásticas, – para elaborar, com cada um em separado, um solo. Nascia dessa maneira o espetáculo Solos hibridus, que será apresentado de quinta-feira a domingo, na Funarte MG, dentro da programação do projeto Ocupação 3.0 – De lá pra cá.


A montagem traz quatro peças: Prumo, de Wenderson Godoi; Submersa, de Maria Cloenes; V de tela, de Rosângela Sulidade; e Re-forma, de Luciano Botelho. Apenas V de tela é inédita na capital mineira. As outras foram encenadas em 2013 no projeto 1, 2 na dança. “A criação se deu em separado, mas, como estamos juntos há muito tempo, trabalhamos questões parecidas”, conta Luciano Botelho, que convidou Marco Paulo Rolla para colaborar em seu solo.

“Antes de começarmos a trabalhar, nós oito nos reunimos no espaço da Dudude, em Casa Branca, para falar o que pensávamos. Acompanhei o Marco Paulo durante uma semana, tanto em suas aulas de performance na Uemg quanto em seu ateliê. Ele acabou me orientando numa bibliografia e voltei para Ipatinga para ver se conseguia ‘corporizar’ o que tínhamos trabalhado. Foi um processo muito aberto, tanto que voltei a Belo Horizonte outras duas vezes e ele também foi a Ipatinga”, acrescenta Luciano.

PIONEIRO Juntos desde 2002, os quatro integrantes da Hibridus foram precursores na dança contemporânea em Ipatinga. Começaram a atuar num movimento social que trabalhava com dança afro. “Como não havia nada relacionado a dança contemporânea na cidade, começamos a buscar pessoas para virem aqui. Adriana Banana, Dudude e Thembi Rosa foram algumas das criadoras que deram oficinas no Fórum de Dança Contemporânea de Ipatinga”, explica Luciano.

A companhia se tornou nome conhecido no meio e tem 10 espetáculos no repertório, apresentados nos principais eventos de dança do país. No segundo semestre, a Hibridus vai levar Solos... para cidades do interior de Minas e São Paulo.


SOLOS HÍBRIDUS

Funarte MG, Rua Januária, 68, Floresta. De quinta-feira a sábado, às 20h, e domingo, às 19h. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS