Primeiro documento escrito oficialmente em língua portuguesa completa 800 anos

Idioma falado nos cinco continentes já é o terceiro mais utilizado nas redes sociais

por Ana Clara Brant 04/07/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arte/EM
(foto: Arte/EM)
Ela é a “última flor do Lácio, inculta e bela”, como definiu o poeta Olavo Bilac, mas ao mesmo tempo é a língua mais falada no hemisfério sul, a sexta no mundo, a terceira mais usada nas redes sociais (Facebook e Twitter) e a quinta na internet, e está completando 800 anos. O documento que marca esse “nascimento” da língua portuguesa é o testamento de dom Afonso II, datado de 27 de junho de 1214: “En o nome de Deus. Eu rei don Afonso pela gracia de Deus rei de Portugal. seendo sano e saluo tem ete o dia de mia morte a saude de mia alma. e a proe de mia molier raina dona Orraca e de meus filios e de meus uassalos…”.

Traduzindo para o português de hoje, o texto seria mais ou menos assim: “Em nome de Deus. Eu, rei D. Afonso, pela graça de Deus rei de Portugal, estando são e salvo, temendo o dia da minha morte, para a salvação da minha alma e para proveito de minha mulher, a rainha D. Orraca e de meus filhos e de meus vassalos…”.

“Este é o primeiro documento da língua escrita, porque a falada já existia há muito tempo. Antes, a documentação escrita era toda em latim e só a partir do reinado de dom Diniz, que instituiu a língua portuguesa como língua oficial da corte, é que os documentos passaram a ser redigidos em português”, explica o professor, filólogo e gramático Evanildo Bechara, integrante da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Um provérbio latino afirma: “Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos ficam), para lembrar que aquilo que se fala, logo se perde, mas o que se escreve pode permanecer marcado e relembrado por muito tempo, ou mesmo para sempre. Por isso, lembra Bechara, que a norma padrão se rege pelos escritos e daí o “nascimento oficial” da nossa língua ser celebrado em 27 de junho. “Na língua escrita, você trabalha melhor o texto, já na falada, você já não pode fazer essa volta ao que disse. Tanto que há uma briga eterna entre linguistas e gramáticos. Os primeiros defendem que o ensino tem que se basear na língua falada, enquanto que os segundos se pautam pela língua escrita”, esclarece.

Mas o que se falava antes do testamento de dom Afonso? A professora de filologia românica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Maria Antonieta Cohen, explica que o português deriva do latim vulgar ou falado e quando ele chegou na Península Ibérica, trazido pelos romanos, se misturou com línguas locais. “Ainda não era o português, mas também não era o latim. Era a fase do romanço ou romance. Só no século 13 é que o português vai ser oficializado, com o testamento”, explica.

E Evanildo Bechara acrescenta: “O que se falava nessa época eram línguas primitivas. Quando os povos de origem germânica instalaram-se na Península Ibérica, isso se refletiu no linguajar e até hoje persiste, assim como os reflexos da invasão moura no Sul. O português moderno está cheio de influências germânicas e árabes e, até hoje, o Norte de Portugal tem muita gente mais clara, por conta disso, e o Sul é mais trigueiro”, observa.

É a partir do século 16 que ocorre a grande virada e mudanças fundamentais no idioma. Palavras desaparecem, outras são substituídas e há o surgimento de novas expressões. É o salto para o português moderno. “É a época do Renascimento, da volta às fontes clássicas, ao grego e ao latim. É um marco histórico. Muitos escritores são dessa época, como Camões, e grandes gramáticos como João de Barros e Fernão de Oliveira. É também a época de expansão da língua pelo mundo, com a navegações, a conquista de novos mundos. As línguas modernas existem a partir daí”, frisa Antonieta Cohen.

E foi nesse período também que o português chegou no Brasil. E o interessante, como lembra o professor e imortal Evanildo Bechara, é que ele só se transformou no chamado português brasileiro lá pelos idos do século 18. “Recebemos um idioma que não era o nosso. E o curioso é que até hoje o português do Brasil se mantém mais fiel ao português clássico, do século 16, do que o próprio português de Portugal. Um exemplo é a colocação do pronome antes do verbo”, repara.

Futuro

E o que esperar desse idioma que, entre as línguas românicas (italiano, espanhol, francês etc.), foi a que mais se difundiu pelo mundo? Segundo Maria Antonieta Cohen, o português é uma língua extremamente estável e não há nada que a ameace. Muito pelo contrário. Por ter uma literatura sedimentada e ser língua oficial em vários países, a tendência é que ela se expanda ainda mais. “É uma língua muito rica, está em franca expansão e não deixa de ser português pelo fato de ser diferenciado, ou seja, de ter o português de Moçambique, do Brasil, de Angola, de Portugal. E outra característica é que está sempre mudando. Mas as mudanças são bem-vindas, elas acompanham o movimento das sociedades. Se o latim não tivesse se modificado, não teria surgido o português. É um processo dinâmico”, conclui.


três perguntas para...

Antonio Sartini
Diretor do Museu da Língua Portuguesa de São Paulo

Por que o testamento é considerado o “nascimento” da língua portuguesa?


Na verdade, não há como precisar com exatidão quando o português surgiu, assim como nenhuma outra língua. Até porque a língua já era falada antes. Mas esse documento é o primeiro registro oficial e escrito em língua portuguesa considerado válido pelos historiadores. Datado de 27 de junho de 1214, está depositado na Torre do Tombo, em Lisboa. O nosso museu, assim como outras instituições que trabalham com a língua, inclusive em Portugal, optou por não fazer nenhuma comemoração. O interessante dessas datas é que elas nos levam à reflexão e a promover um bom marketing. A obrigação do museu é celebrar a língua durante os 365 dias do ano.

Como você analisa o atual momento da nossa língua no mundo?

O momento é ótimo, de plena expansão. Atualmente, temos mais de 250 milhões de falantes de português no mundo, com projeções de 330 milhões nos próximos 30 anos. É a terceira língua mais falada no Ocidente e nas redes sociais. O português é extremamente dinâmico, se adaptou aos tempos modernos, evoluiu muito rápido e incorporou novos termos. Os aspectos econômicos dos países de língua portuguesa favoreceram também o aumento do interesse pela cultura dessas nações, sobretudo pela música, como a brasileira e a angolana. Só para se ter uma ideia, a China, hoje, tem 24 universidades com cursos regulares de língua portuguesa, enquanto que nos Estados Unidos estão até faltando professores para lecionar o português.

Tivemos recentemente o acordo ortográfico. Teremos mais novidades com relação ao idioma?

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) está preparando o Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC), para todos os oito países membros. Trata-se de uma base de dados digital e que pode virar impressa também e que, no futuro, poderá ser ampliada e reformulada sempre que necessário. Neste mês, em Cabo Verde, a primeira versão do VOC, feita por Portugal e Brasil, terá o acréscimo de Moçambique e Timor-Leste, que vão entregar seus vocabulários nacionais. A ideia é desenvolver instrumentos comuns para uma gestão multilateral da língua. O VOC contempla todas as expressões e vocabulários falados em todos os países. Mostra, por exemplo, que expressões como “café da manhã”, “pequeno almoço” ou “mata-bicho” são a mesma coisa, só que no Brasil e Portugal e em Moçambique, respectivamente. E todas estarão no VOC. É algo inédito e uma maneira totalmente revolucionária de se lidar com o idioma. Reconhece a diversidade da nossa língua.


Idioma no mundo

» Única das línguas românicas falada nos cinco continentes, o português é a língua oficial de oito países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

» A língua portuguesa é ainda falada em locais por onde os portugueses passaram ao longo da história, como Macau, Goa (Índia) e Malaca (Malásia).

» Existem cerca de 254,54 milhões de falantes nativos de português, cerca de 3,7% da população mundial.

» Em 2050 cerca de 335 milhões de pessoas falarão português no mundo

» É a língua mais falada no hemisfério sul.

 No Facebook, o português é a terceira língua mais usada, por 58,5 milhões de pessoas, depois do inglês (359 milhões) e do espanhol (142 milhões). Além disso, a língua portuguesa foi a que mais cresceu na rede social, com um aumento de 800% entre 2010 e 2012.

Fonte: Camões – Instituto da Cooperação e da Língua e Observatório da Língua Portuguesa


Linha do tempo

Séculos 5 ao 10
Fase do romanço ou romance (latim falado mesclado a outras línguas)

Séculos 10 ao 13
Período proto-histórico


Século 13
Período histórico. Testamento de dom Afonso II, datado de 27 de junho de 1214. Documento marca o nascimento do português escrito

Séculos 13 ao 16
Português arcaico


Século 16 em diante
Português
moderno

Séculos 18 e 19
Surgimento do “português brasileiro”

Fonte: Maria Antonieta Cohen, professora titular de filologia românica da UFMG

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS