Corrida do ouro do século 18 é tema de livro

Estudo de Francisco Vasconcelos Bastos será lançado nesta quinta em Belo Horizonte e sexta em Ouro Preto

por Walter Sebastião 26/06/2014 09:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jair Amaral/EM/D. A Press
Contador de histórias, Francisco Bastos leva ao leitor não especializado uma visão acessível do passado mineiro (foto: Jair Amaral/EM/D. A Press )
Ouro? Ouro! Enfim localizado, depois de dois séculos de busca no interior do Brasil. A notícia corre, e começa, a partir de 1700, a corrida em busca do precioso metal. Milhares de pessoas – baianos, paulistas, pernambucanos, gaúchos, ciganos, garimpeiros, comerciantes, padres e aventureiros em geral chegam à região onde hoje está Ouro Preto, Mariana e Sabará. Núcleos que eram só arraiais remotos, em meio à selva, sem lei ou autoridades. Só de portugueses, estima-se que, entre 1701 e 1750, vieram 800 mil. O resultado é caos que chega a conflitos armados com facilidade.

Foi do transbordamento deste caldeirão de confrontos econômicos, políticos, sociais e étnicos que cozeu e fez nascer o Brasil. História que está no livro 'Ouro? Ouro! A construção do Brasil' brasileiro, de Francisco de Paula Vasconcelos Bastos, que vai ser lançado hoje em Belo Horizonte e amanhã em Ouro Preto. “A descoberta do ouro transformou o que era um quintal litorâneo de Portugal numa nação. Alimentou, inclusive, os sonhos de liberdade de Tiradentes”, afirma o autor. O escritor define o livro como passeio pela história do Brasil, centrado em Minas Gerais.

Francisco Bastos lamenta que o brasileiro conheça mais a corrida do ouro norte-americana do que a ocorrida no Brasil do século 18. Mas também aponta os motivos: “Lá fizeram filmes, livros e gibis sobre o assunto. Aqui foi e é muito estudado, mas faltava integrar numa única narrativa as diferentes fases e momentos do processo”. Foi tal constatação que moveu dedicação ao projeto, produto de dois anos de pesquisa e muitas viagens. “Como sou contador de histórias, troquei o pesquisado em dezenas de livros em notas de 10 para criar obra acessível sobre uma história assombrosa”, avisa. Mas oferecendo, observa, informações corretas.

“O Brasil nasceu de situação que tinha tudo para errado, mas tornou-se um país mais maravilhoso”, afirma Francisco Bastos. Ele saúda a “globalização racial” que gerou sociedade em que todos se entendem. “Somos o único país do mundo em que árabes e israelitas se entendem”, observa. O escritor considera que a situação de precariedade de informações em linguagem acessível sobre o século 18 mineiro, necessária até para ser oferecida aos turistas, se verifica também no que se refere à história das cidades antigas mineiras. “Cada distrito de Ouro Preto merecia um livro. Todos têm histórias extraordinárias”, exemplifica.

Biblioteca O primeiro livro de Francisco Bastos, produção independente, foi 'A igreja de São Francisco de Assis de Vila Rica', dedicado ao templo do período colonial mais celebrado pela cultura brasileira. Em seguida, publicou 'A construção do Brasil brasileiro'. O próximo, anuncia, vai ser livro sobre os Cristos de Aleijadinho. O autor tem 63 anos, é mineiro de Ouro Preto, publicitário e especialista em marketing político. Vive momento de total dedicação aos livros. “Estou no paraíso sem precisar morrer”, garante.

A sedução pela escrita vem do gosto pela leitura, cultivado desde criança. “O lado Vasconcelos só apareceu depois dos 50 anos”, observa com bom humor, lembrando que ser de família ligada a livros e pesquisa também foi um incentivo – ele é primo de Sílvio Vasconcelos, um dos mais importantes estudiosos da arquitetura mineira. Está com ele, inclusive, biblioteca de 4 mil volumes sobre história da mineração, formada por outro primo, o bibliotecário Décio Pereira de Vaconcelos.

Francisco Bastos justifica a dedicação aos temas da região aurífera de Minas Gerais. “Conversando com amigos, o assunto sempre chegava a Ouro Preto. Ouvia coisas que não estavam corretas, corrigia e apresentava um livro confirmando o que tinha dito. Aos poucos fui percebendo que um livro citava o outro e a biblioteca acabou me devorando”, conta. Escrever o livro foi o passo seguinte ao hábito de colocar os eventos, datas e personagens “nos lugares certos”.

Ouro? Ouro! A construção do Brasil brasileiro
Lançamento do livro de Francisco de Paula Vasconcelos Bastos. Sexta, às 20h, na Livraria Leitura do BH Shopping. Sábado, às 19h, na Casa dos Contos, Rua São José, 12, em Ouro Preto.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS