Exposições gratuitas de arte atraem grande público em BH

Belo-horizontinos e turistas que vieram para a Copa tem opções para todos os gostos

por Mariana Peixoto 20/06/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Euler Junior/EM/D. A Press
Exposição 'Resistir é preciso' no Centro Cultural Banco do Brasil é uma das opções que a cidade oferece (foto: Euler Junior/EM/D. A Press)
Estudante de fotografia na Fumec, Ilana Lages foi apresentada a Sebastião Salgado pelo pai, Paulo Roberto. Há muitos anos o morador de Minas Novas, Vale do Jequitinhonha, sabendo do interesse da filha por fotografia, chamou a atenção dela para matéria exibida na TV sobre Salgado. Agora foi a vez de Ilana devolver a apresentação. Paulo Roberto e a mulher, Marluce Lages, continuam vivendo em Minas Novas. Vêm de quando em vez a Belo Horizonte para visitar os cinco filhos. Pois foi com quatro deles – Ilana, Talita, Roberta e Paulo Roberto, além de Alex Bartelega, também estudante de fotografia, namorado de Ilana – que foram ver, de perto, a obra de Sebastião Salgado.


Em cartaz desde 3 de junho, a mostra Genesis, que reúne 245 imagens do ambiente natural, fruto de 30 viagens que o fotógrafo de Aimorés fez a diferentes e inóspitas regiões do planeta desde 2004, já levou 15 mil pessoas ao Palácio das Artes. É uma das importantes mostras em cartaz na cidade. Com olhares múltiplos, alguns deles complementares, espaços culturais e museus vêm recebendo um bom público neste período, provando que mesmo onipresente, o futebol abre espaço para história e arte.

Além de Genesis, há outras quatro grandes mostras em cartaz que merecem uma visita detalhada. Também no Palácio das Artes, ocupando as galerias Genesco Murta e Arlinda Corrêa Lima – e somente até domingo – Mestres da gravura destaca 170 obras do acervo de gravuras da Fundação Biblioteca Nacional. Considerado pela Unesco um dos 10 maiores do mundo, o acervo tem 30 mil itens, alguns deles de artistas ilustres como Albrecht Dürer (1471-1528), Rembrandt (1606-1669) e Goya (1746-1828). São 81 artistas na exposição mineira. Para observar os detalhes que fogem do olho nu, lupas são emprestadas ao visitante.

Na recém-inaugurada Casa Fiat – que em sua primeira semana recebeu 3,2 mil pessoas – o barroco é o foco. Mais novo espaço a integrar o Circuito Cultural Praça da Liberdade, reúne o barroco brasileiro e o italiano em 40 esculturas. As italianas são em prata; as brasileiras, em madeira. Para observar os contrastes, o ideal é visitar primeiro as peças brasileiras, obras de Aleijadinho e dos mestres Valentim e Piranga, para depois chegar aos italianos, produzidos em Nápoles.

O Museu Mineiro traz um outro olhar para o barroco com a exposição Patrimônio recuperado, que integra as comemerações do bicentenário de Aleijadinho. Aberta também no início de junho, reúne 150 obras que foram apreendidas, desde 2003, pelo Ministério Público de Minas Gerais. Estavam desaparecidas havia anos, algumas delas por décadas e muitas não têm identificação. Uma vez que venham a público, as obras, hoje incorporadas ao acervo do Museu Mineiro, talvez possam ser reconhecidas.

Ainda no Circuito da Praça da Liberdade, o CCBB traz uma exposição que mescla história, jornalismo e arte. Resistir é preciso, vista desde a abertura, em 21 de maio, por 24 mil pessoas, remonta os anos de chumbo vividos no Brasil a partir de 1964 até a abertura política, em 1985, por meio de três grandes vértices. Por um lado, está a arte ligada à resistência; por outro, a atuação da imprensa, principalmente a nanica. Costurando esses dois lados está uma linha do tempo bastante didática, que, ano após ano, destaca os acontecimentos mais importantes dos pontos de vista político e cultural no país, bem como o que estava ocorrendo em todo o mundo.

BARROCO ITÁLIA BRASIL PRATA E OURO
Casa Fiat de Cultura, Praça da Liberdade, 10, Funcionários, (31) 3289-8900. Visitação terça a sexta, das 10h às 21h; sábado, domingo e feriados, das 14h às 21h. Entrada franca. Até 7 de setembro.

GENESIS
Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400. Visitação terça a sábado, das 9h30 às 21h; domingo, das 16h às 21h. Entrada franca. Até 24 de agosto.

MESTRES DA GRAVURA

Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400. Visitação hoje e amanhã, das 9h30 às 21h; domingo, das 16h às 21h. Entrada franca. Até domingo.

PATRIMÔNIO RECUPERADO
Museu Mineiro, Avenida João Pinheiro, 342, Funcionários, (31) 3269-1103. Visitação terça, quarta e sexta, das 10h às 19h; quinta, das 12h às 21h; sábado e domingo: 12h às 19h. Entrada franca. Até 20 de julho

RESISTIR É PRECISO

Centro Cultural Banco do Brasil, Praça da Liberdade, 450, Funcionários, (31) 3431-9400. Visitação quarta a segunda, das 9h às 21h. Entrada franca. Até 28 de julho.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS