Mundo contemporâneo é tema do espetáculo 'Miradas do caos #2'

Montagem entra em cartaz no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna

por Carolina Braga 13/06/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cecilia Pederzoli/divulgação
Fernanda Preta no espetáculo que o grupo 3º Corpo apresenta até o dia 18 em BH (foto: Cecilia Pederzoli/divulgação)
Dançarinos em interação com imagens. Instalação participativa na porta do teatro. É certo que 'Miradas do caos #2', a segunda parte da trilogia que o grupo 3º Corpo apresenta até dia 18 no Oi Futuro Klauss Vianna não se adequa ao que chamamos de espetáculo. “É uma experiência, algo que está tomando forma. A arte contemporânea está sempre refazendo suas formas”, explica o produtor visual Julião Villas.


Acompanhado dos performers Fernanda Preta e Paulo Chamone, de Luiz Naveda nos sistemas interativos e criação sonora, todos sob a direção de Dudude Herrmann, eles misturam linguagens na reflexão que fazem sobre o caos contemporâneo. A primeira parte dessa trilogia foi sobre o caos social. Agora, é a vez de colocar a natureza no foco.

“Falamos sobre a destruição irresponsável, as políticas que envolvem as empresas com relação ao meio ambiente e à escassez que esse meio natural está sofrendo. Mas estamos falando também da natureza do homem, dessa parte orgânica e instintiva da qual estamos nos distanciando”, detalha Fernanda Preta.

A pesquisa do 3º Corpo é sobre a relação entre o corpo orgânico e as tecnologias. Em 'Miradas do caos #2', os dançarinos vão interagir com imagens e sons criados ao vivo.

O palco será ocupado também por sensores capazes de mapear os movimentos. São dispositivos de nomes estranhos para quem não é do ramo, caso do kinect. O resultado promete envolver o espectador.

Julião Villas é artista plástico. Aliás, essa é uma vertente que permeia todo o trabalho. Há um interesse na pesquisa tecnológica, mas sem perder o norte do direcionamento estético.

É como se programas, projeções ou trilhas sonoras fossem mais um personagem. “Tecnologia não é nosso tema. Está ali como uma apropriação da linguagem atual, mas que está de acordo com a necessidade do que estamos trabalhando”, diz Fernanda Preta.

A equipe procurou trabalhar com a não hierarquização dos elementos.

MIRADAS DO CAOS #2
De sexta a domingo e nos dias 17 e 18, às 20h. Oi Futuro Klauss Vianna, Avenida Afonso Pena, 4.001, Mangabeiras. Ingressos: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS